África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Estados latino-americanos descumprem direitos das mulheres
Emilio Godoy

Cidade do México, México, 10/5/2013, (IPS) - Os Estados latino-americanos seguem em dívida quanto à garantia de direitos educacionais, sexuais e reprodutivos das mulheres, segundo ativistas de diferentes regiões do mundo reunidas na capital mexicana.

"Há temas pendentes em economia, educação, violência e saúde sexual e reprodutiva. O cumprimento das leis é a parte mais fraca. Não há uma política integral dos governos para atender esses temas", disse à IPS a argentina María Oviedo, responsável em capacitação do não governamental Comitê da América Latina e do Caribe para a Defesa dos Direitos das Mulheres (Cladem).

Oviedo participou, junto a dezenas de defensoras de direitos femininos da América Latina, Europa, Ásia e África, do seminário Incidência em rede: o desafio para que os Estados cumpram os direitos humanos das mulheres, que começou no dia 7 e acaba hoje. Essa rede, criada em 1987, lançou em 2011 a campanha mundial Por um Estado que Cumpra os Direitos Humanos das Mulheres. Já é Hora, Já é Tempo, com financiamento da União Europeia e da organização holandesa Oxfam Novib, que terminará em 2015.

Na América Latina os indicadores de educação primária, trabalho e renda melhoraram na última década, mas as mulheres ainda enfrentam brechas importantes em relação aos homens, as quais mantêm a persistência da desigualdade de gênero, em uma região com uma cultura muito patriarcal. Os homens somam 163 milhões e as mulheres 113 milhões da população economicamente ativa da região, e a previsão para 2020 é que esses números cheguem a 188 milhões e 141 milhões, respectivamente, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Além disso, a participação na atividade econômica das mulheres da região está aumentando e a Cepal calcula que em 2020 as que trabalharão fora de casa representarão 56% do total, contra 52% em 2010. "Na violência cotidiana impera a desigualdade e a injustiça. Onde estão emperradas todas as lutas das mulheres é nos processos de justiça. Por isso é preciso mudar estruturas", disse à IPS a especialista Gabriela Delgado, do Programa Universitário de Direitos Humanos da estatal Universidade Autônoma Nacional do México.

Entre as obrigações pendentes dos Estados figuram reformas legislativas para alcançar a igualdade formal, aplicação de políticas para conseguir essa meta no acesso a recursos econômicos, viver sem violência, dispor de direitos sexuais e reprodutivos, além de educação antidiscriminatória e não sexista.

As ativistas identificaram leis que toleram a violação sexual, sob pretextos como casamento entre vítima e algoz; que estipulam idades diferentes para homens e mulheres se casarem, ou maiores direitos matrimoniais para os homens em países como Argentina, Bolívia, Guatemala, Haiti, Nicarágua e Panamá. Na região, entre 17% e 53% das mulheres sofrem violência, e o que agrava esse panorama é que 92% das denúncias ficam impunes. Além disso, apenas dez nações latino-americanas despenalizaram o aborto, enquanto na maioria ainda predominam legislações que o proíbem ou restringem.

Para a espanhola Rosa Cobo, acadêmica da Universidade A Coruña, surge uma mescla de formas de violência antigas que ressuscitam e outras novas, associadas a fenômenos emergentes como a economia ilegal e o crime organizado. "Vivemos um cenário mundial de desordem geopolítica, econômica, política e patriarcal que produz um excedente de violência que sempre recai em setores que estão em inferioridade social ou mais fracos", explicou Cobo à IPS.

A especialista citou entre essas manifestações os feminicídios na Guatemala e em Ciudad Juárez, na fronteira do México com os Estados Unidos, a violência de gênero em conflitos armados, o tráfico de mulheres para exploração sexual, e a compra de noivas na Ásia. As ativistas querem dos Estados a garantia de igualdade entre mulheres e homens, mediante a eliminação de normas e práticas discriminatórias, o impulso da igualdade e divisão de responsabilidades nos trabalhos domésticos para erradicar a pobreza, e uma vida livre de violência para mulheres e meninas.

Também pedem autonomia sexual e reprodutiva, acesso a recursos e serviços nessa área e educação laica, intercultural, não sexista e não discriminatória. Os fenômenos citados "mostram uma dívida preocupante e que demorarão anos para serem abatidos", afirmou Oviedo. O Cladem, cuja sede principal fica em Lima, no Peru, iniciou a Campanha por uma Educação não Sexista e Antidiscriminatória para contar com um ensino baseado em relações de respeito, igualdade e cooperação entre os gêneros.

"Não haverá uma relação entre esta violência extrema e a obtenção de direitos das mulheres nos últimos anos?", perguntou Cobo. Esse tipo de violência "manifesta uma vontade de controle como resposta a uma realidade social que questiona o estatuto das mulheres. Definiu-se um deslocamento da violência do espaço conhecido para o desconhecido, no qual homens matam mulheres que não conhecem", acrescentou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Violations of International Law Degenerate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
 Despite Current Debate, Police Militarisation Goes Beyond U.S. Borders
 Does Iceland Gain From Whaling?
 Protecting America’s Underwater Serengeti
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ilegales bombas de barril arrasan lo que queda de Alepo
 Caribe insular esperanzado con cumbre climática de Samoa
 La militarización policial de EEUU tiene tentáculos en América Latina
 Estadounidenses apoyan a Obama en intervención militar en Iraq
 Â¿Quién recuenta los votos en Afganistán?
MÁS >>