África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Internet para escapar do Talibã nas eleições paquistanesas
Ashfaq Yusufzai

Peshawar, Paquistão, 13/5/2013, (IPS) - Se não pode vencê-los, pelos menos inove: essa parece ser a lição aprendida pelo Partido Nacional Awami (PNA), do Paquistão.

O PNA buscou ajuda na tecnologia, cansado de estar no extremo receptor de uma interminável onda de ataques suicidas e com explosivos por parte de rebeldes talibãs. Agora utiliza a internet para chegar aos seus eleitores em vários distritos de Jyber Pajtunjwa, sua principal base de apoio.

O líder do PNA, Mian Iftikhar Hussain, disse à IPS que era uma grande benção chegar à população pelo programa de videochamadas Skype com vistas à eleição do dia 11. "Graças a isto podemos chegar ao eleitorado sem colocar em perigo nossas vidas", afirmou. A tecnologia ajuda os membros do partido a protegerem sua integridade física e também a das pessoas que os ouvem. Hussain, ex-ministro de Informação de Jyber Pajtunjwa, perdeu seu único filho, Mian Rashid Hussain, em um ataque terrorista cometido por Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP), em outubro de 2010.

O PNA, que governa esta província desde 2008, mantém uma firme oposição à ação do ilegal TTP. Por essa posição pagou um preço alto. Cerca de 800 de seus líderes e trabalhadores foram vítimas de ataques do TTP nos últimos cinco anos. E a violência só piorou na campanha eleitoral. O PNA foi seu alvo principal, mas os outros partidos liberais, como o Movimento Muttrahida Qaumi (MQM) e o Partido Popular do Paquistão, também foram vítimas de sua ira. Atentados suicidas e com explosivos contra candidatos e sedes do PNA e do MQM estão na ordem do dia.

"Foi o governo provincial do PNA que assumiu as operações militares de maior êxito contra insurgentes no distrito de Swat de Jyber Pajtunjwa", disse Mohammad Jamil, professor de estudos sobre o Paquistão na Escola Pública Universitária de Peshawar. "O TTP governou Swat entre 2007 e 2009, quando foi desalojado pelo governo liderado pelo PNA", afirmou. Swat também é o lugar de onde procede a ativista Malala Yousafzai. Em outubro do ano passado esta jovem de 13 anos sobreviveu a um ataque a tiros cometido pelo Talibã pelo fato de defender a educação para as meninas.

O PNA foi o único partido que fez "uma campanha aberta e valente" contra o Talibã, destacou Jamil à IPS, o que o converteu no alvo de sua violenta agenda. "O TTP teme a possibilidade de enfrentar uma ação mais severa se o PNA voltar ao poder. Portanto, tenta de tudo para manter esse partido longe das eleições, cimentando o caminho para os partidos que têm uma posição mais branda em relação ao Talibã", acrescentou.

Porém, pode não consegui-lo totalmente, devido à capacidade do PNA de vencer obstáculos. Primeiro, suas mulheres líderes abriram caminho onde figuras mais destacadas não puderam fazer campanha, indo de aldeia em aldeia para pedir a outras mulheres que votassem em seus candidatos e tentando convencer os homens a fazerem o mesmo. Agora incluiu a internet em seu arsenal para afastar os insurgentes e se comunicar com seus partidários. E essa medida foi muito bem recebida pelo público, segundo a dirigente Bushra Gohar, do PNA.

"Nossos trabalhadores apreciam a nova medida porque o PNA não poderia colocar suas vidas no fio da navalha realizando reuniões públicas. Pelo Skype podemos comunicar nossa mensagem à população em um clima de paz", afirmou Gohar à IPS. "Muitos de nossos candidatos queriam estar fisicamente presentes nas reuniões públicas, mas não podiam fazê-lo devido às ameaças dos rebeldes. O uso da internet resolveu nosso problema", ressaltou.

Hussain voltou a usar o Skype na localidade de Taro, a 15 quilômetros de Peshawar, para divulgar sua própria mensagem e a de seu partido. Ali Haider, que organizou o discurso pelo Skype, pontuou que foi um grande sucesso. "Planejamos mais dessas reuniões, nas quais líderes e candidatos do PNA podem se dirigir à população pelo Skype. São muito seguras", enfatizou. Sanaullah Khan, membro do PNA radicado em Mardan, disse à IPS que "onde há vontade, há um caminho", e que "ouvimos ansiosos os discursos de nossos líderes via Skype".

O ex-ministro chefe de Jyber Pajtunjwa e líder do PNA, Ameer Haider Jan Hoti, candidatou-se a uma vaga na assembleia nacional pelo seu povoado natal. Após sobreviver a um atentado suicida no dia 15 de fevereiro, em Mardan, ele, como os outros, não podiam fazer campanha eleitoral pessoalmente. A população organiza discursos por Skype para ele também em Mardan. Jan Hoti explicou que também desenvolvem o site do partido e publicam atualizações regulares na rede social Facebook. "A resposta não tem precedentes, porque a maioria de nossos líderes também abriu contas no Twitter para enviar suas mensagens aos trabalhadores", detalhou.

Mohammad Namir, professor em Mardan, esteve entre os que no dia 3 deste mês ouviram o discurso de Jan Hoti via internet. O líder recordou os muitos projetos que seu governo executou nos cinco anos de sua gestão e pediu à população que voltasse a votar nos candidatos do PNA nestas eleições. "Os trabalhadores do partido dizem que o uso da internet os salvou dos ataques. Para as reuniões públicas é preciso haver acordos. Para uma campanha via internet, só o que se exige é um computador portátil", apontou à IPS.

O PNA também usa música para motivar as massas, segundo Mohammad Shoaib, jornalista em Swabi. Os candidatos do partido sobreviveram a três tentativas de ataques terroristas nesse distrito, o quarto mais povoado de Jyber Pajtunjwa. As canções eleitorais do partido melhoraram o estado de ânimo da população. O PNA divulgou um álbum com 11 canções em língua pashtun para a campanha.

Interpretadas pelo conhecido canto Gulzar Alam, reforçam os temas da paz, da democracia e do progresso, os mesmos que o partido promete ao eleitorado. "As músicas atraem as pessoas porque falam da proteção do solo pashtun", explicou Shoaib. Essa população é majoritária na província de Jyber Pajtunjwa. Em cenário eleitoral que os rebeldes banham de sangue, as canções parecem ser mais do que um pequeno consolo. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Parteras ayudan a bajar la mortalidad materna en Sierra Leona
 Los tiempos de la migración de supervivencia
 Las grandes represas y su relación con la mala calidad del agua
 Crece movilización contra abuso de antibióticos en India
 Retiro digno en El Salvador pasa por reformar privatizado sistema
MÁS >>