África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Cultura, outra frente de luta aberta o Afeganistão
Giuliano Battiston

Cabul, Afeganistão, 13/5/2013, (IPS) - Outro tipo de guerra se desenvolve no Afeganistão, sem derramamento de sangue e mais sutil do que as incursões armadas noturnas ou o explodir das bombas.


Crédito: Giuliano Battiston/IPS
Participantes do Sound Central, festival de música da Ásia central, realizado em Cabul.
Trata-se da luta de influências culturais que conta com o patrocínio, entre outras formas de apoio, de espetáculos artísticos. No último verão, quando o Palácio da Rainha de Bagh-e-Babur (o jardim de Babur) abrigou o ramo afegão da Documenta 13 (uma das maiores exposições de arte contemporânea do mundo), muita gente em Cabul se perguntou sobre o papel da arte e da cultura em um país atribulado pela guerra.

Concluíram que os produtos artísticos podem ajudar a justificar a ocupação militar ou refletir uma imagem do Afeganistão contrária à caótica e instável realidade. "A cultura se tornou uma ferramenta para incidir na percepção sobre o Afeganistão", disse à IPS, em julho do ano passado, Aman Mojaddedi, um artista norte-americano de origem afegã. Mojaddedi e a curadora italiana Andrea Viliani foram responsáveis pela seção afegã da Documenta 13. O artista apontou Alemanha, Estados Unidos, França e Grã-Bretanha como países que "investem cada vez mais dinheiro na área cultural".

Segundo o artista, esse apoio tem o "objetivo de demonstrar que a presença internacional no Afeganistão é um sucesso e que os afegãos têm uma vida normal. Sem dúvida, é uma forma de manipulação". Porém, Zabi Siddiq, um adolescente cuja família é do Vale de Panjshir, não se sente manipulado. "Tenho interesse em novas formas de arte, pois mostram que é possível um futuro melhor, mesmo em um país como o Afeganistão", disse à IPS. Siddiq é um dos muitos jovens afegãos que participaram do Sound Central, um festival de música moderna da Ásia central, realizado no Centro Cultural Francês de Cabul, de 30 de abril a 4 deste mês.

O festival começou há alguns anos, quando Trevis Beard, repórter fotográfico e fundador e principal organizador do Sound Central, e seus amigos "se sentiram insatisfeitos com o panorama musical e cultural" de Cabul. Em 2011, organizamos o primeiro grande encontro de música moderna em Cabul. Durou um dia e se apresentaram oito bandas de rock", contou à IPS. Desde então a proposta cresceu junto com a quantidade de patrocinadores. O maior e mais generoso é a Agência Suíça para a Cooperação e o Desenvolvimento. Também participam muitas embaixadas e doadores internacionais públicos e alguns poucos privados.

A terceira edição do Sound Central contou com várias propostas, desde concertos de rock e heavy metal e atuações de grupos de rap, passando por uma mostra fotográfica, até um espetáculo do Parwaz, um grupo de teatro de marionetes. O público estava composto principalmente por estrangeiros, muitos deles jornalistas, fotógrafos e empregados de organizações não governamentais, e jovens afegãos usando camisetas, calças jeans e calçado esportivo colorido.

Em um espaço aberto com uma barraca de campanha violeta havia artistas grafitando. Um deles, Reza Amiri, de 20 anos, começou a fazer grafites há um ano, após participar de um painel na Universidade de Cabul, e se proclamou seguidor de Shamsia Hassani, de 24 anos, aclamada pelos meios internacionais como a primeira realizadora de grafite do Afeganistão. Amiri ama sua nova forma de expressão porque "graças a ela pode tratar temas delicados de forma direta e efetiva", explicou, mostrando um trabalho no qual se vê o rosto de uma mulher acompanhado do texto "deixe-me respirar". Amiri disse à IPS que "o trabalho mostra a busca das afegãs por liberdade".

Folad Anzurgar, de 27 anos, se dedicou a um estilo mais ortodoxo. Este pintor a óleo disse à IPS que se baseia nos rostos que expressam a dor da guerra, "a beleza da paz" e "as tradições afegãs". Coisas "como grafite e rock são para os mais jovens e não podem substituir nossa herança cultural, que tem raízes muito mais profundas", ressaltou.

No Afeganistão, especialmente em zonas rurais onde vive 75% da população, muitos creem que os artistas atuais introduzem valores estrangeiros. De fato, muitas pessoas nunca ouviram rock. Sulyman Qardash é vocalista e líder do grupo de rock Kabul Dreams. "Temos muitos seguidores dentro e fora do país", disse à IPS. Muitos de seus fãs são de Cabul. O grupo já tocou na Turquia, Índia, Irã e Uzbequistão, mas no Afeganistão nunca se apresentaram fora da capital.

"É inegável que com nosso festival introduzimos novos elementos culturais, mas o fazemos sem imposição", explicou Beard à IPS. "Só oferecemos aos afegãos uma nova plataforma que podem escolher para usar", acrescentou. No entanto, reconheceu que, em um país assediado pela guerra, esse trabalho tem muitas implicações e inevitavelmente se torna parte da batalha para "ganhar corações e mentes" de afegãos e estrangeiros. "Apesar do dinheiro que recebemos de doadores estrangeiros, estamos totalmente livres de influências políticas", ressaltou.

Mojaddedi se referiu ao assunto da cultura moderna e tradicional de uma forma mais amena, e destacou o enriquecimento mútuo que ocorre nos intercâmbios culturais. "Todas as culturas são híbridas, e isso ocorre em qualquer lugar a todo momento", afirmou à IPS. "As novas tendências também têm o efeito contrário aqui. Alguns artistas afegãos procuram preservar sua própria cultura específica", pontuou.

O aperta-afrouxa da hibridização são história antiga. Como escreveu Gilles Donrronsoro, conhecido pesquisador e especialista em Afeganistão, tanto os soviéticos, há várias décadas, como o Ocidente, hoje em dia, "tentam impor um modelo social de modernização que não é aceitável para a população local, para as elites urbanizadas", opinou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Reforma tributaria chilena se queda a medias
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
 Traducciones que matan
 Terrorismo en Nigeria pasa de los machetes a los lanzacohetes
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
MÁS >>