África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

OMC consagra um latino-americano em prol de mudar o rumo
Gustavo Capdevila

Genebra, Suíça, 15/5/2013, (IPS) - O brasileiro Roberto Carvalho de Azevêdo, formalmente nomeado ontem novo diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), chegou a essa posição com o amplo apoio do mundo em desenvolvimento, superando na fase final o mexicano Herminio Blanco, preferido pelos países industrializados.


Crédito: OMC - CC BY-SA 2.0
Roberto Carvalho de Azevêdo assumirá em 1º de setembro a direção da OMC.
O resultado do processo de seleção deixa claro que boa parte dos membros da OMC, em sua maioria países em desenvolvimento, está descontente com o statu quo que Blanco representava, disse à IPS a coordenadora da rede Nosso Mundo Não Está à Venda (OWINFS), Deborah James.

A ativista e especialista em comércio da OWINFS, rede de dezenas de organizações e institutos de estudo em todo o mundo, afirmou que "a insatisfação dos governos do Sul se relaciona com a prorrogação do atual modelo fracassado de globalização corporativa, baseado na liberalização e desregulamentação". E acrescentou que "a OMC consolida globalmente esse modelo sem considerar os efeitos negativos dessas políticas nos operários, camponeses e meio ambiente".

A designação de Azevêdo é considerada um sopro de ar fresco para o rarefeito clima em que adormece, há pelo menos uma década, a OMC, conduzida nos últimos oito anos pelo francês Pascal Lamy. Em sua declaração perante o Conselho Geral da organização, que consagrou Azevêdo para um período de quatro anos a partir de 1º de setembro, a delegação da África do Sul afirmou que sua nomeação é comemorada como uma tríplice vitória, pela diversidade, pelo consenso e pelo multilateralismo.

Os sul-africanos também pediram que a direção da OMC reflita a diversidade de seus 159 membros e represente todas as regiões. "Hoje conseguimos que a América Latina esteja representada pela primeira vez na direção da OMC", afirmaram. "Em breve será a vez da África contribuir com a riqueza de seus dirigentes para esta instituição", acrescentaram os representantes de Pretória.

A OMC e seu antecessor, o Acordo Geral de Tarifas Alfandegárias e Comércio (GATT), sempre foram dirigidos por representantes de nações industrializadas, exceto no período 2002-2005, quando a organização esteve a cargo do tailandês Supachai Panitchpakdi.

James disse que agora caberá a Azevêdo responder às necessidades evidentes que a sociedade civil, por meio da OWINFS, está mostrando. Assim se referiu à transformação do sistema existente para garantir que possa dar aos países o suficiente espaço político para perseguir um programa positivo rumo ao desenvolvimento e à geração de emprego. Dessa forma, prosseguiu, "as regras comerciais poderão facilitar, em lugar de entorpecer, os esforços mundiais para garantir uma verdadeira segurança alimentar, o desenvolvimento econômico sustentável, o acesso global à saúde e aos medicamentos e a estabilidade financeira".

A organizações não governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) pediu que Azevêdo dê prioridade ao acesso a medicamentos. Rohit Malpani, diretor de política e análise dessa instituição, afirmou que a designação do brasileiro "coincide com a reclamação do grupo dos Países Menos Avançados (PMA) de continuarem livres da aplicação dos Acordos de Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio" (Adpic).

Os PMA querem que essa exceção seja aplicada enquanto persistir sua condição de menor desenvolvimento. Malpani estimou que a prorrogação desse benefício permitirá aos PMA evitar os efeitos de práticas monopolistas sobre medicamentos, diagnósticos e aparelhos médicos. Esta e outras reclamações do grupo figuram junto a questões de agricultura e facilitação de comércio, entre os prováveis temas da conferência ministerial da OMC marcada para Bali, na Indonésia, entre 3 e 6 de dezembro.

Azevêdo evita comentários precisos sobre a marcha da OMC devido à sua condição de mero diretor-geral designado, que irá até 1º de setembro. Mas, em um reconhecimento das dificuldades que enfrentam as negociações de um acordo ministerial em Bali, o diplomata brasileiro disse que, se não houver êxito, a marcha será muito mais árdua. Também afirmou que é preciso mover a OMC "de sua atual paralisia para uma organização que novamente seja valiosa e obtenha resultados negociados que o mundo deseja e espera".

No entanto, as diferenças entre os negociadores não são a única ameaça à conferência ministerial de dezembro. A Coalizão de Camponeses Asiática (APC) anunciou que pretende demonstrar sua enérgica resistência à OMC durante a reunião em Bali. A organização realizará ações contra a OMC em Bangladesh, Filipinas, Indonésia, Paquistão, Sri Lanka, Nepal e Índia, disse o subsecretário-geral da APC, Rahmat Ajiguna. Os acordos de agricultura da OMC causam deslocamentos maciços, destruição da indústria local e a crescente apropriação de terras e recursos, segundo a ACP. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Terrorismo en Nigeria pasa de los machetes a los lanzacohetes
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
MÁS >>