África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Pequenos passos em favor dos direitos sexuais em Cuba
Ivet González

Ciego de Ávila, Cuba, 21/5/2013 , (IPS) - Os grupos de lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexuais (LGBTI) de Cuba obtêm avanços em temas como a mudança de nome de pessoas transgênero não operadas e mantêm sua luta pelo direito à união legal.


Crédito: Jorge Luis Baños /IPS
Um alegre desfile encerrou em Ciego de Ávila a VI Jornada Cubana Contra a Homofobia.
Pela primeira vez, desde 1997, uma transexual feminina que não se submeteu à cirurgia de adequação genital obteve este ano um documento de identificação com o nome de sua escolha e uma foto refletindo sua identidade de gênero, contou à IPS o advogado Manuel Vázquez, do estatal Centro Nacional de Educação Sexual (Cenesex).

"Vamos continuar apoiando mudanças de nome e pretendemos que este tipo de trâmite seja comum", acrescentou o responsável pela área jurídica do Cenesex, um serviço de assessoria legal que identifica a família e o local de trabalho como os espaços onde mais são violados os direitos das pessoas que não são heterossexuais. Até agora, mulheres e homens transexuais tinham que se apresentar nos Escritórios da Carteira de Identidade, vinculados à polícia, fotografias onde sua imagem correspondesse com a aparência tradicional que se espera do sexo marcado em seus documentos. Assim, um transgênero feminino deveria aparecer como um homem na foto.

Somente em 1997 o Cenesex conseguiu implementar alguns acordos entre os ministérios do Interior e da Justiça para trocar os nomes e as fotos da carteira de identidade de 13 pessoas trans não operadas, sem que fossem modificados outros documentos do Registro Civil, como a data de nascimento. Por sua vez, as pessoas beneficiadas por uma cirurgia de adequação genital, realizada gratuita e sistematicamente no país desde 2008, podem modificar suas carteiras de identidade por via judicial.

Em Cuba foram feitas 19 cirurgias desse tipo, duas delas em transexuais masculinos, segundo o Cenesex. "Agora, qualquer pessoa trans não operada tem liberdade para iniciar este tipo de processo (mudança de nome) e ganhar graças a este antecedente", destacou Vázquez. Adela Hernández, a única deputada transgênero da Assembleia Municipal do Poder Popular (instância local do parlamento unicameral cubano), revelou à IPS que já começou os trâmites para modificar sua carteira de identidade, durante ss atividades da VI Jornada Cubana Contra a Homofobia, que acontece ao longo deste mês.

Esta enfermeira do município de Caibarién, na província de Villa Clara, teve que se registrar para a candidatura nas eleições realizadas em outubro e novembro de 2012 com o nome de José Agustín Hernández e com uma foto onde aparece muito diferente da mulher que ganhou a maioria dos votos de sua circunscrição. Hernández é uma das convidadas especiais da atual edição de um programa de atividades educacionais, culturais e, também pela primeira vez, esportivas, que anualmente, desde 2008, o Cenesex realiza por ocasião do Dia Internacional Contra a Homofobia e a Transfobia, em 17 de maio.

Nesta ocasião as atividades centrais se desenvolveram entre 14 e 17 deste mês na cidade de Ciego de Ávila, 434 quilômetros a leste de Havana. No encerramento, um enorme e festivo desfile cruzou a central rua Libertad, onde se via as bandeiras multicoloridas do movimento LGBTI e a de Cuba. Mariela, uma mãe de 36 anos, se aproximou com seu bebê de nove meses para ver a manifestação. "Não participei da jornada, mas não sou contra", contou à IPS. "Estas atividades fazem com que a família conheça sobre diversidade sexual, se respeite mais e as crianças e os jovens se desenvolvam melhor", acrescentou.

Entretanto, outras pessoas ainda se opõem à campanha pelo respeito à livre orientação sexual e identidade de gênero, que durante todo o ano o Cenesex desenvolve, com seu momento culminante em maio, cujo programa este ano está dedicado às famílias. A diretora desse organismo, Mariela Castro Espín, afirmou que "o mais difícil é mudar a mentalidade das pessoas", em um país ainda muito machista e homofóbico. Na verdade, até a década de 1990, Cuba punia "a ostentação pública da homossexualidade".

Por isso os grupos LGBTI e o Cenesex intensificam desde 2012 seu ativismo em favor do reconhecimento dos direitos sexuais como direitos humanos neste país, que ainda não tem uma lei específica que condene a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero. O parlamento continua sem examinar o projeto do novo Código de Família, promovido desde 2008 pela não governamental Federação de Mulheres Cubanas e por outras instituições. Este projeto busca atualizar o Código vigente desde 1975, para que, entre outros aspectos, se reconheça a união legal entre pessoas do mesmo sexo.

Na América Latina, apenas Argentina e Uruguai permitem o casamento homossexual, além do Distrito Federal do México, sede da capital do país, e três Estados mexicanos. No Brasil vigora a união civil, com quase os mesmos direitos que o matrimônio, e, no dia 14, o Conselho Nacional de Justiça determinou aos cartórios que realizem o casamento de casais homossexuais. Vázquez considera necessária a aprovação da união legal e apoia a proposta de criar em Cuba uma lei ou decreto-lei de identidade de gênero, defendida por vários juristas e ativistas.

Enquanto isso acontece, este advogado de 26 anos traça como estratégia capacitar mais juristas sobre como aproveitar a legislação cubana atual em casos de vulneração de direitos de pessoas LGBTI. "As pessoas também precisam ser corajosas e denunciar esses crime", acrescentou Vázquez, ao informar sobre a realização, na cidade de Santiago de Cuba, do primeiro painel deste tipo para profissionais da justiça.

Além disso, o Cenesex pretende replicar em outros territórios os serviços de assessoria jurídica. "Não existe uma lei sobre os direitos dos homossexuais. Fala-se de forma muito geral", lamentou Raquel Fernández, da Rede de Lésbicas Atenea, de Ciego de Ávila. A violência intrafamiliar e o pouco acesso a moradia ou emprego devido à homofobia figuram entre as limitações que as lésbicas mais sofrem, enfatizou Raquel à IPS. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Las razones por las que Kazajstán desmanteló su arsenal nuclear
 VIH/sida llama a revisar desventajas sociales en Cuba
 Las mujeres, pilar en la lucha social de la Patagonia chilena
 Hacia un centro de coordinación informativa sobre gobernanza mundial
 Parteras ayudan a bajar la mortalidad materna en Sierra Leona
MÁS >>