África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Cicatrizes da tragédia em oficinas têxteis de Bangladesh
Naimul Haq

Daca, Bangladesh, 23/5/2013, (IPS) - "Estava escuro e quente, com um pó asfixiante por todos os lados. No ar dominava o cheiro dos corpos em decomposição", recordou Nasima, de 24 anos, uma trabalhadora têxtil que passou quatro dias debaixo dos escombros do prédio que desabou em abril na capital de Bangladesh.


Crédito: Naimul Haq/IPS
Foi o pior acidente industrial na história de Bangladesh, com pelo menos 1.127 mortes.
A jovem recordou o terror pelo qual ela e outras quatro trabalhadoras passaram quando ficaram sepultadas por restos de vidro, ferro e concreto do edifício de oito andares.

As equipes de resgate as encontraram entre as ruínas do quinto e sexto andares do prédio Rana Plaza, no subúrbio de Savar, onde funcionavam cinco oficinas têxteis. Nasima contou à IPS que estava "muito assustada" para lembrar de todos os detalhes dessas 96 horas. "Minhas colegas morreram uma após outra a poucos metros de mim", contou. Ela se deu conta de que haviam morrido quando deixou de ouvir suas vozes chamando na escuridão.

Nasima começou a trabalhar na Ether Garments, uma das muitas companhias que funcionavam no Rana Plaza, apenas 20 dias antes da tragédia. Foi o pior acidente industrial na história de Bangladesh, no qual morreram pelo menos 1.127 pessoas, segundo a última contagem. Enquanto as famílias das vítimas começavam a chegar desesperadas ao lugar da tragédia, vinham à luz informações de falhas nas medidas de segurança e de negligência por parte dos responsáveis.

Logo ficou claro que os proprietários tinham sido alertados sobre a possibilidade de um desabamento do prédio, autorizado a funcionar somente até o quinto andar. Quando os sobreviventes começaram a falar, denunciaram que os patrões ignoraram as recomendações dos engenheiros de fechar as fábricas em 24 de abril, dia do desmoronamento, e que ameaçaram de demissão quem faltasse. Estas revelações causaram indignação internacional e mostraram a situação da indústria têxtil do país, o setor que mais gera divisas, cerca de US$ 20 bilhões por ano.

Empresas transnacionais como a sueca H&M, a irlandesa Primark e as norte-americanas Gap e Walmart, que subcontratam a maior parte de sua produção em Bangladesh para aproveitar a mão de obra barata, em sua maioria feminina, agora são alvo de duras críticas por não terem adotado os padrões de segurança. Apesar de estas acusações não serem novas, grupos de direitos humanos esperam que a tragédia sacuda a indústria o suficiente para levar à implantação de leis trabalhistas e que sejam seguidas as regras de segurança.

Shapla, de 19 anos, cujo braço esquerdo ficou em tal estado que foi preciso amputá-lo no próprio lugar do acidente, conversou com a IPS, em sua cama no hospital do Instituto Nacional de Traumatologia e Reabilitação Ortopédica desta capital. A jovem recordou que sobreviveu por várias horas presa entre as ruínas do segundo e terceiro andares, "com sangue e cadáveres por todo lado". Mehedul, marido de Shapla e que trabalhava como operador de uma máquina de costura no mesmo andar que ela, contou à IPS que sobreviveu por pura sorte, pois estava na parte de trás do prédio no momento em que a estrutura veio abaixo, atingindo a maioria dos trabalhadores que estavam na parte da frente.

Alguns sobreviventes, como Razia, de 21 anos, sofrem tanta dor que prefeririam a morte. "Alguém me dê veneno. Quero morrer", gritava na sala do hospital onde ela e outros 121 feridos são atendidos gratuitamente. A jovem disse à IPS que apenas ouviu uma grande explosão e logo tudo ficou escuro. Nas 14 horas seguintes precisou lutar para poder respirar através do espesso pó que a cobria. Ao seu lado no hospital estava Shamsul Alam, inspetor de qualidade, de 28 anos, que sofreu ferimentos na espinha dorsal que, segundo os médicos, são "muito difíceis de operar" e poderão acabar sendo fatais. Alam contou à IPS que agora sabe "como é estar dentro de um caixão", ao explicar o que sentia prostrado em uma cama.

O trauma também apagou por completo a memória de outros sobreviventes. Um operador chamado Runu ficou dois dias debaixo dos escombros antes de ser resgatado. Hoje é incapaz de se lembrar de algo do dia da tragédia. Já os que se lembram prometem não voltar a trabalhar em uma fábrica. "Vou mendigar, se for preciso, mas nunca voltarei a trabalhar em uma fábrica têxtil", declarou à IPS a jovem Mariam, de 25 anos, cujas pernas e braços foram quebrados pelo concreto e pelas barras de ferro. "Nasci de novo", disse Shakhina. "Não cometerei o erro de voltar a um emprego mortal", ressaltou.

Grandes expoentes da indústria estão, finalmente, adotando medidas de segurança. A. K. M. Salim Osman, presidente da Associação de Fabricantes e Exportadores de Tecidos, disse à IPS que o incidente de abril foi uma "grande chamada de atenção", e admitiu que, "se continuarmos ignorando rígidos padrões éticos de segurança, nos equivocaremos de novo". Osman afirmou que a ratificação pelo setor têxtil do Acordo pela Segurança dos Edifícios e Contra o Fogo é um passo na direção certa.

Segundo o convênio, um comitê tripartite formado por representantes de cada empresa, trabalhadores e um inspetor neutro, indicado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), deverá vigiar a implantação dos padrões de segurança estabelecidos nos ignorados protocolos vigentes. "Se necessário, obrigaremos as fábricas a fechar até cumprirem as regras", disse à IPS Mohammad Shafiqul Islam, ex-presidente da Associação de Fabricantes e Exportadores de Roupa de Bangladesh. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Japón busca trabajadores extranjeros, a regañadientes
 Recrudece la persecución a homosexuales en Uganda
 Milicias cristianas se dividen en el norte de Siria
 Reforma tributaria chilena se queda a medias
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
MÁS >>