África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Deslocamentos não param na Colômbia
Helda Martínez

Bogotá, Colômbia, 4/6/2013, (IPS) - Os municípios colombianos da costa do Oceano Pacífico estão na mira de traficantes de drogas e de armas, que levam ao deslocamento forçado na região, afirma um informe apresentado no dia 31 de maio, pela não governamental Consultoria para os Direitos Humanos e o Deslocamento (Codhes).


Crédito: Jesús Abad Colorado/IPS
Estudantes em Quibdó, capital de Chocó, um dos departamentos onde aumenta o deslocamento.
Um dos fatores que disparam o número de pessoas que abandonam suas casas está "nas disputas e estratégias de consolidação de domínios territoriais por parte dos atores armados", assegurou o diretor da Codhes, Marco Romero.

Nessa região, o fenômeno "está condicionado pela localização geográfica, com um histórico de abandono estatal que favorece o comércio da droga, ao qual se soma o plano do governo conhecido como "locomotiva mineira", que aumentou a produção desde 2009, e, com ela, a ambição dos atores armados", acrescentou o ativista. Este país vive em guerra interna desde o começo da década de 1960. Atualmente, o governo de Juan Manuel Santos e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), negociam uma agenda de paz em Havana. Entretanto, na Colômbia atuam diversos grupos armados, como máfias do narcotráfico e milícias paramilitares de extrema direita.

O informe da Codhes - a fonte não governamental mais respeitada quanto a estatísticas sobre este fenômeno - indica que, no ano passado, 92.596 pessoas foram obrigadas a abandonar suas casas e lugares de origem em toda a região do Pacífico, o que equivale a 36% do total de refugiados em todo o país. Desde 1999 se deslocaram no Pacífico 863.334 pessoas, segundo a Codhes, que também indica que 2012 foi o pior ano nessa região e marcou uma alta de quase 22% em relação a 2011. No âmbito nacional, foram registrados no ano passado 256.590 casos, isto é, 2.556 a menos do que em 2011, quando as vítimas somaram 259.146. Porém, aumentaram os casos de deslocamento maciço, um fenômeno que sofreu aumento de 98% em relação a 2011.

"Considera-se deslocamento maciço quando um único episódio de violência provoca a migração de pelo menos dez famílias ou 50 pessoas", explicou à IPS a pesquisadora Paola Hurtado, da Codehs. Na região do Pacífico esta modalidade registrou alta de 45% nos últimos dois anos. As populações mais afetadas são afrocolombianas (51.938) e indígenas (18.154), que se concentram nos departamentos que têm litoral no Oceano Pacífico: Nariño, Cauca, Valle do Cauca e Chocó.

"O caso dos afrodescendentes é dramático", disse na apresentação do informe Ariel Palacios, da não governamental Conferência Nacional de Organizações Afrocolombianas. "As políticas estatais de proteção não são efetivas e o racismo nas cidades é nefasto. Por isso a maioria tenta se assentar em populações pequenas para reduzir a gravidade da situação", detalhou. Outra novidade é o deslocamento intraurbano, dentro das cidades ou de uma para outra, à qual a Codhes dedica boa parte de seu informe e que atribui a disputas entre grupos criminosos pelo controle do tráfico varejista de drogas.

Romero disse que "embora pareça paradoxal, em meio ao conflito e à crise humanitária, o país caminha em busca de soluções de paz e de reparação das vítimas, com a Lei 1.448 e os diálogos de paz que realizada. Ele se referia à Lei de Vítimas e Restituição de Terras, cuja aplicação começou em 2012 para responder ao principal fenômeno da guerra, que é a contraface do deslocamento: a apropriação agrária ilegal.

Essa lei "é positiva porque reconhece as vítimas como tais, aceitando que, se o Estado não pôde protegê-las, deve fazê-lo agora", disse à IPS o coordenador de pesquisas da Codhes, Gabriel Rojas. "Também é positiva porque lhes garante recursos econômicos", equivalentes a cerca de US$ 30 milhões, acrescentou. "No entanto, sabemos, e o ministro da Agricultura que deixa o cargo, Juan Camilo Restrepo, concordou: existem graves problemas de organizações e registro, o que dificulta os processos e em alguns casos revitimiza as pessoas, porque lhes provoca ansiedade saber que existe uma lei que as protege e, no entanto, em um ano e meio não conseguiu uma implantação adequada", observou.

A Colômbia é um dos países com maior deslocamento interno no mundo. As estimativas oficiais e não governamentais se aproximaram e se situam em cerca de cinco milhões de pessoas desde a década de 1980. A tal ponto chegou a situação que, em 1998, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados abriu um escritório permanente em Bogotá.

A IPS solicitou a opinião e dados da governamental Unidade para a Atenção e a Reparação Integral das Vítimas, mas só conseguiu a promessa de resposta, "que não é imediata", com o requisito de enviar uma solicitação por e-mail. "O desconhecimento de dados oficiais se converte em um problema. O último conhecido girava em torno de 90 mil afetados pelo deslocamento forçado em 2012, mas é um número incerto", enfatizou Rojas. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
 Sube presión para que Obama prohíba viajes desde zona del ébola
 Seguridad alimentaria convive mal con cambio climático en África
 Extinción de especies repercute en la vida diaria
 Coctel de violencia política, pobreza y narco emerge en México
MÁS >>