África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Presidência e judiciário em rumo de colisão no Egito
Adam Morrow e Khaled Moussa al-Omrani

Cairo, Egito, 12/6/2013, (IPS) - O crescente enfrentamento no Egito, durante a fase posterior à revolução de 2011, entre o Poder Judiciário e o presidente Mohammad Morsi, parece chegar ao seu ponto máximo com um projeto de lei que regula o trabalho judicial.


Crédito: Khaled Moussa al-Omrani/IPS
Partidários do presidente Mohammad Morsi protestam, em novembro de 2012, diante do Tribunal Constitucional contra supostos casos de corrupção judicial.
O projeto está em exame no Conselho Shura, câmara alta do parlamento com status consultivo, mas atualmente dotado de poderes legislativos.

O artigo mais polêmico da iniciativa é o que propõe reduzir a idade de aposentadoria dos juízes de 70 para 60 anos. Milhares de magistrados terão que se aposentar se for aprovada a proposta, apresentada pelo Partido Wasat, de tendência islâmica moderada, e apoiada pela Irmandade Muçulmana, à qual pertence Morsi, no poder desde junho de 2012.

Os críticos do projeto, entre os quais a maioria dos juízes e da oposição laica, consideram que é uma tentativa da Irmandade Muçulmana de usurpar o poder e preencher os cargos judiciais com pessoas próximas à sua ideologia. O líder esquerdista Hamdin Sabahi, que ficou em segundo nas primeiras eleições justas realizadas no Egito, há um ano, disse que, se a lei for aprovada, se estará cometendo um "massacre" de juízes no país.

"Há uma clara intenção da Irmandade Muçulmana de dominar as instituições judiciais do país para que seja possível a justiça supervisionar as futuras eleições", ressaltou Sabahi em maio, quando participava de um protesto diante da sede do Conselho Shura, no Cairo. A câmara alta do parlamento, com poderes legislativos até ser eleita a nova Assembleia do Povo, processo que está em um limbo legal, "não tem direito de legislar porque foi eleita apenas por 7% do voto popular", argumentou.

O professor de direito constitucional da Universidade do Cairo, Gaber Gad Nassar, concordou com Sabahi. "O projeto de lei, que obrigará cerca de oito mil juízes a se afastarem de suas funções, constitui uma tentativa da Irmandade Muçulmana e de seus aliados de controlar a justiça", afirmou Nassar à IPS. A seu ver, a organização tenta "designar seus próprios juízes para poder arranjar as próximas eleições parlamentares a seu favor".

Por seu lado, os defensores da iniciativa negam categoricamente as acusações e afirmam que a lei só objetiva purgar a justiça de elementos favoráveis ao deposto presidente Hosni Mubarak, que governou o país de 1981 a 2011. Apoiam o projeto a Presidência, a Irmandade Muçulmana e seu braço político, o Partido da Liberdade e da Justiça (FJP).

Walid Shirabi, porta-voz do movimento Juízes pelo Egito, integrado por juízes e funcionários judiciais favoráveis à Irmandade Muçulmana, considerou "ilógicas" as críticas da oposição de que o projeto de lei propõe preencher o Poder Judiciário com magistrados dessa organização. "Segundo a Constituição, o Conselho Judicial Supremo (SJC) é responsável por designar os juízes", que depois devem contar com a aprovação do presidente, afirmou à IPS.

Shirabi ressaltou que "o SJC não tem nenhum juiz da Irmandade Muçulmana". Essa instituição de 15 membros é a máxima autoridade judicial do país. Também rebateu a ideia de que a aposentadoria em massa de milhares de magistrados prejudicará o funcionamento da justiça no Egito, que já está paralisada com, literalmente, milhões de casos em todo o sistema de tribunais do país. "Por outro lado, o trabalho ficará mais ágil com a designação de quadros frescos", destacou.

Shirabi também se colocou contra a crítica de que o Conselho Shura não tem autoridade legítima para adotar uma nova lei. "A Constituição aprovada há pouco lhe dá o direito de legislar até que haja uma nova câmara baixa", afirmou. "Toda declaração contrária tem como meta manter a corrupção do regime de Mubarak, que elevou a idade de aposentadoria de 60 para 70 anos com o objetivo expresso de manter os juízes favoráveis", pontuou.

O primeiro enfrentamento entre o Poder Judiciário e as forças islâmicas do Egito começou há quase um ano, quando o Alto Tribunal Constitucional declarou que a lei que permitiu organizar as primeiras eleições após a queda do regime de Mubarak, realizadas no final de 2011 e começo de 2012, era inconstitucional.

No dia seguinte, 15 de junho de 2012, o então governante Conselho Supremo das Forças Armadas ordenou a dissolução da recém-eleita Assembleia do Povo, que tinha metade de suas cadeiras nas mãos do FJP, da Irmandade Muçulmana, enquanto a outra quarta parte era ocupada por outros partidos islâmicos. Muitos rivais políticos da Irmandade Muçulmana aplaudiram a dissolução do parlamento islâmico, mas especialistas legais questionaram a legitimidade da decisão do Alto Tribunal Constitucional.

"Só um terço das cadeiras do parlamento, os reservados aos candidatos independentes, era questionado do ponto de vista constitucional", disse na época o professor de direito constitucional da Universidade do Cairo, Atef al-Banna, em entrevista à IPS. "Mas esse Tribunal não ofereceu nenhum argumento legal para dissolver toda a Assembleia", ressaltou.

A assessora de assuntos políticos de Morsi, Pakinam al-Sharqawi, acusou, em abril, o Poder Judiciário de intervir de forma injusta na política nacional, "desde a dissolução da Assembleia do Povo no ano passado", uma iniciativa que qualificou de "perigosa e sem precedentes". Acrescentou que "nunca antes foi permitido a um tribunal dissolver efetivamente um parlamento eleito democraticamente por 30 milhões de cidadãos".

No ano passado houve mais enfrentamentos, como a falida tentativa da Presidência de restabelecer a Assembleia do Povo, o êxito da tentativa de nomear um novo promotor geral, e um decreto executivo que protege temporariamente as decisões presidenciais do Poder Judiciário. Atualmente, o FJP, que tem considerável maioria no Conselho Shura, tenta fazer aprovar o controvertido projeto de lei sobre a idade de aposentadoria dos magistrados.

Por sua vez, o Judiciário pede que todo debate sobre o texto legislativo seja adiado até a eleição da nova câmara baixa. Contudo, na semana passada, para ira de muitos juízes e dirigentes da oposição, o FJP enviou para o comitê de assuntos legislativos o projeto de lei para discussão. Mas, não está claro quando, ou se, o Conselho o submeterá a votação. Enquanto isso, o Clube de Juízes do Egito, uma associação de magistrados que não simpatizam com Morsi, ameaçou suspender toda a atividade judicial se o projeto for aprovado. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Rousseff dos y el gran desafío: conjurar la “maldición” económica
 La pobreza infantil española desde los ojos de Encarni
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
MÁS >>