África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Medir os impactos é crucial no desenvolvimento rural latino-americano
Marianela Jarroud

Santiago, Chile, 14/6/2013 , (IPS) - O Centro Latino-Americano para o Desenvolvimento Rural (Rimisp) busca propor e validar um método de avaliação de processos, resultados, alcances e impactos em grupos vulneráveis da região dos projetos agropecuários financiados pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida).


Crédito: Rimisp
Eduardo Ramírez, pesquisador do Centro Latino-Americano para o Desenvolvimento Rural, durante a entrevista
O projeto Pobreza e Desigualdade, Análise no Setor Rural da América Latina estuda essas realidades no campo de seus países, bem como a agricultura familiar e os métodos de avaliação dos programas da região que contam com apoio do Fida.

Este último componente, dirigido por Eduardo Ramírez, pesquisador principal do Rimisp, tem o objetivo de ajustar e ampliar o sistema de Gestão de Resultados e Impactos (RIMS), do próprio Fida. A meta é avaliar os 20 projetos que este Fundo desenvolve na região e lançar luzes para as estratégias políticas de desenvolvimento rural na América Latina. Em entrevista à IPS na capital chilena, sede do Rimisp, Ramírez explicou que o Fida pretende, entre outros objetivos, ser um instrumento que produza modelos de intervenção, "porque o benefício é que os países utilizem estas metodologias para gerar projetos e ter maior alcance".

IPS: Quais países o projeto Rimisp atingiu?

EDUARDO RAMÍREZ: Fizemos uma revisão sobre os sistemas do Chile, Colômbia, Brasil, México e Peru. Depois realizamos o painel Método de Acompanhamento e Avaliação de Projetos, nos dias 14 e 15 de maio, em Lima, no Peru, no qual reunimos gente do Fida mundial, do Fida regional e dos governos. Discutimos a pertinência desta proposta e nos demos conta de que há um espaço para unir o RIMS com os projetos, e é o que estamos fazendo agora.

IPS: Existe também um espaço de colaboração com os sistemas nacionais de avaliação?

ER: Há um espaço, mas não tão grande, porque os sistemas de avaliação dos países estão ligados a um ciclo de gestão pública que transcende ou não tem muita relação com os projetos. De todo modo, o resultado foi heterogêneo. Na Colômbia, há boas chances de se fazer coisas. No Brasil, pelo seu tamanho e também dos projetos, há possibilidades, não em nível de governo mas dos Estados. No México, é necessário um trabalho com maior dedicação, porque existe uma estratégia que fixa prioridades com planos bianuais que dependem do governo, por isso é mais complicado entrar. O Peru poderia ser, mas ainda está sendo instalado um sistema de avaliação de projetos sociais. No Chile, o Fida não tem projetos e o país não participou do painel.

IPS: O que se pode ressaltar na medição dos países?

ER: É importante destacar que todos os países da região estão se movendo para sistemas institucionalizados de avaliação de impacto, que a estão desacoplando de aspectos mais políticos ou eleitorais, para se transformar em sistemas com bastante sustentação técnica, em alguns países com mais independência que outros. Também costumam começar a gerar informação bem interessante sobre os resultados, os efeitos dos projetos que estão sendo realizados nos países.

IPS: Por que é importante a avaliação de impacto dos projetos?

ER: Se o desejo é incidir politicamente e também demonstrar que sua maneira de trabalhar é coerente com as restrições e com o contexto em que se encontra a pobreza rural na América Latina, é necessário ter avaliações de impacto para ter credibilidade. Contudo, não qualquer avaliação de impacto. Por isso foi importante investigar sobre os protocolos e os sistemas de avaliação de impacto dos países, o que as nações consideram razoável, em que acreditam, qual é o padrão da avaliação de impacto.

IPS: O que essa pesquisa mostrou?

ER: Vimos que a tendência é para sistemas muito mais padronizados, que exigem muita informação, não apenas da avaliação de impacto, mas de como se faz essa avaliação, qual é a credibilidade que tem esse processo. Então, existe um conjunto de necessidades na avaliação de impacto que é preciso "controlar ou antecipar", para que esse resultado seja consistente com a ideia de gerar incidência nas políticas públicas na região.

IPS: Com são medidos os resultados?

ER: É uma das discussões que estamos realizando. Dizemos que os resultados têm de ser medidos sobre dois conceitos: primeiro, deve-se medir ali onde queremos causar impacto, isto é, as famílias. Segundo, temos que medir naquilo que nós, de maneira plausível, modificamos. Então, falamos de coerência entre a teoria de mudança, ou as suposições que tem o projeto, e o que vamos medir como impacto.

IPS: Por que são tão importantes a transparência e a prestação de contas?

ER: É um dos elementos não desenvolvidos com grande ênfase, mas a avaliação de impacto contribui para a prestação de contas.

IPS: Os projetos de desenvolvimento rural conseguiram resultados concretos para a redução da pobreza?

ER: O exemplo do Brasil é muito bom. Colômbia e México estão fazendo um esforço importante para integrar os pequenos produtores e zonas rurais bem marginalizadas a mercados um pouco mais dinâmicos, para dessa forma causar impacto nos níveis de vida. O Peru realiza uma experiência bem interessante no sentido de conjugar as políticas de entrega de fundos para estratégias mais produtivas, dar um pouco de sustentabilidade a essas economias locais mais vulneráveis. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Parteras ayudan a bajar la mortalidad materna en Sierra Leona
 Los tiempos de la migración de supervivencia
 Las grandes represas y su relación con la mala calidad del agua
 Crece movilización contra abuso de antibióticos en India
 Retiro digno en El Salvador pasa por reformar privatizado sistema
MÁS >>