África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

REPORTAGEM
Ajuda financeira contra mudança climática de novo paralisada
Stephen Leahy

UXBRIDGE, Canadá, 17 de junho de 2013, (IPS) - (Tierramérica).- A suspensão de tratativas por um acordo mundial para enfrentar as cada vez mais recorrentes tragédias relacionadas com o clima deixam os países pobres mais expostos.


Crédito: Naseem Ackbarally/IPS
Um mundo com temperatura mais alta será mais propenso a eventos meteorológicos extremos.
Enquanto o mundo se dirige para um catastrófico aumento das temperaturas de entre 3,6 e 5,3 graus, as negociações sobre um novo tratado climático estão em ponto morto e os países ricos não concretizam o financiamento prometido para ajudar os mais vulneráveis. "A mudança climática deslizou claramente para um segundo plano das prioridades políticas", disse a diretora-executiva da Agência Internacional de Energia (AIE), Maria van der Hoeven, na apresentação de um informe, no dia 10 deste mês.

O novo informe especial das Perspectivas da Energia no Mundo, Redrawing the Energy-Climate Map (Redesenhando o Mapa de Energia-Clima), afirma que a humanidade caminha para um aumento de três graus nas temperaturas mundiais até 2100 (em comparação com os níveis pré-industriais) e de entre 3,6 e 5,3 graus em mais longo prazo. Esta elevação será, provavelmente, duas a três vezes maior nos polos, liderando a perda de boa parte dos gelos do planeta e aumentando em um metro o nível do mar até 2100 ou, inclusive, muito mais nas décadas seguintes.

Todos os países acordaram trabalhar para manter as temperaturas mundiais abaixo de dois graus no contexto da Convenção Marco das Nações Unidas sobre a Mudança Climática. Encontrar maneiras de conseguir isto implica negociações mais complexas jamais tentadas pela humanidade, disse a secretária-executiva da Convenção, Cristiana Figueres. Em uma declaração na qual comentou o informe da AIE, Figueres declarou: "Uma vez mais nos recordam que existe uma brecha entre os esforços atuais e o compromisso necessário" para que as temperaturas mundiais não aumentem além de dois graus.

Essa brecha ficou dolorosamente em evidência na conferência sobre mudança climática que a Convenção organizou em Bonn. Embora este seja o 19º ano de negociações, uma disputa técnica por parte de Bielorússia, Ucrânia e Rússia em torno da agenda paralisou um dos temas mais importantes, que inclui a assistência financeira para ajudar os países a enfrentarem os impactos da mudança climática. Por fim, as negociações foram suspensas no dia 11, segundo comunicado da Convenção.

A maioria das emissões de carbono que esquentam a atmosfera procede do mundo industrializado. Reconhecendo esse fato, os países ricos acordaram na 15ª Conferência das Partes (COP 15) da Convenção Marco, realizada em 2009 em Copenhague, fornecer ajuda financeira aos pobres, que, apesar de terem menor responsabilidade na mudança climática, experimentarão muitos de seus impactos. Supõe-se que esses fundos serão "novos e adicionais" para não ser preciso desviar os que entregam para os muito necessários programas de assistência ao desenvolvimento.

Entretanto, não está claro se são novos fundos ou apenas ajuda ao desenvolvimento reetiquetada como finanças climáticas, observou Laetitia de Marez, analista de políticas na organização não governamental alemã Climate Analytics. "Não há consenso sobre uma definição do significado de 'novas e adicionais'. Cada país decide por si mesmo", destacou Marez ao Terramérica, de Bonn. A maior parte dessas finanças climáticas foi usada em projetos de redução de emissões contaminantes (mitigação), como plantio de árvores ou em energias renováveis em países em desenvolvimento.

Isto pouco faz para ajudar as nações mais vulneráveis, que carecem do dinheiro necessário para enfrentar os impactos da mudança climática que já estão experimentando, afirmou Marez. "Deveria haver uma divisão meio a meio entre mitigação e adaptação", acrescentou. Contudo, tudo isso pouco importa se não existe financiamento climático para dividir. Em Copenhague, as nações industrializadas prometeram aumentar para US$ 100 bilhões anuais até 2020 o dinheiro que alimentaria o Fundo Verde para o Clima. Esse gradual aumento teria que começar este ano.

Felix Fallasch, da Climate Analytics, disse ao Terramérica que "até agora há compromissos por apenas US$ 10,8 bilhões, e parte disso cobre o período 2013-2015". Japão e Estados Unidos não assumiram compromissos para 2013 e dizem não estar em posição de fazê-lo, acrescentou. Para Marez, "não é muito útil falarmos isto. Dá a outros países, como Índia e China, uma desculpa conveniente para evitar tomar medidas fortes em relação ao clima", pontuou.

Está previsto que o Fundo Verde seja um organismo independente que administre o financiamento climático, mas ainda não está operacional. Sem esses recursos, que somem milhares de milhões de dólares, é muito improvável que haja um novo tratado climático, como se esperava, para 2015, opinou Marez. A coalizão Climate Action Network, que reúne mais de 700 organizações da sociedade civil, exorta os países industrializados a comprometerem US$ 20 bilhões anuais em 2013 e nos próximos dois anos na 19ª Conferência das Partes (COP 19) da Convenção Marco, que acontecerá em novembro em Varsóvia, na Polônia.

Os países doadores esperam que a maior parte deste dinheiro proceda do setor privado. Isso será difícil, com os preços muito baixos que dominam os mercados de carbono e as poucas perspectivas de ir além de US$ 10 ou US$ 15 a tonelada, segundo a Associação Internacional de Comércio de Emissões. O Fundo Verde ajudará a reduzir o risco dos investimentos privados, entretanto, é provável que os retornos sejam muito maiores na velha "economia marrom" do que na nova "economia verde", ressaltou Marez.

Alguns países em desenvolvimento e boa parte da sociedade civil são contrários aos investimentos privados e à aplicação de enfoques de mercado à crise climática. "Não estamos falando de ganhar dinheiro. Tentamos abordar a mudança climática", disse Bernarditas Muller, negociadora do governo das Filipinas. O dinheiro do Fundo Verde deveria ser entregue aos Estados que mais precisem dele e não usado com o olhar posto nos retornos dos investimentos, enfatizou Muller por ocasião da conferência de Bonn.

Como atualmente as condições econômicas nos países industrializados são deficientes, em termos gerais, seus governos têm pouca avidez para assumir novos compromissos financeiros, indicou Sivan Kartha, da divisão norte-americana do Instituto de Estocolmo para o Oriente Médio. "Isso não mudará enquanto o público não se alarmar mais e forçar seus governos a apoiarem países que precisam de assistência e, assim, ajudar a tornar verdes suas economias", afirmou Kartha aos jornalistas em Bonn. "Necessitaremos um compromisso público muito maior", ressaltou.

* (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Japón busca trabajadores extranjeros, a regañadientes
 Recrudece la persecución a homosexuales en Uganda
 Milicias cristianas se dividen en el norte de Siria
 Reforma tributaria chilena se queda a medias
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
MÁS >>