África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Desigualdade resistente no celeiro latino-americano
Julio Godoy

Roma, Itália, 19/6/2013, (IPS) - A julgar pelos reconhecimentos que a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) acaba de entregar a 11 países latino-americanos e caribenhos, é fácil concluir que a região deu um passo de gigante para a erradicação da fome.


Crédito: FAO/Giulio Napolitano
O economista argentino Raúl Benítez destaca a persistente desigualdade latino-americana.
É o rosto benigno da América Latina, junto com o crescimento econômico que experimentam muitos de seus países.

Contudo, um olhar mais detalhado no panorama alimentar e agrícola revela outra face, a da desigualdade, marcada pela crescente influência do oligopólio agropecuário industrial. O economista argentino Raúl Benítez, diretor do escritório da FAO para América Latina e Caribe, afirmou que, "apesar de nosso continente ter dados passos enormes contra a fome, também é o mais desigual do mundo".

"Dos quase 900 milhões de pessoas que sofrem fome no mundo, 50 milhões são latino-americanos ou caribenhos", disse Benítez à IPS durante a 38ª Conferência da FAO, que acontece entre os dias 15 e 22, em Roma. E a fome aparece em lugares como a Argentina, cuja população foi durante boa parte do século 20 uma das melhor alimentadas do mundo.

"Hoje em dia na Argentina, uma enorme quantidade de meninos e meninas sofrem a desnutrição da soja", destacou Silvia Ribeiro, diretora para a América Latina do não governamental Grupo de Ação sobre Erosão, Tecnologia e Concentração (ETC), em referência ao principal cultivo para exportação desse país. "Há mais de 20 anos, com apoio de todos os governos nacionais, a Argentina permitiu a expansão maciça da soja na agricultura do país, deslocando a pecuária e outros cultivos, e também transformando a dieta cotidiana da população", explicou Ribeiro.

Hoje em dia, "os argentinos não bebem leite de vaca, mas de soja, e não comem mais carne, a substituem por soja, uma dieta monótona que provoca desnutrição", argumentou Ribeiro, cuja organização monitora o impacto de tecnologias emergentes e corporações sobre a biodiversidade, agricultura e os direitos humanos. Para esta ativista, também presente na Conferência na capital italiana, o reconhecimento da FAO a países latino-americanos por seus êxitos contra a fome "se baseia em uma análise parcial e enganosa".

"É como se a FAO só visse o produto interno bruto, que reflete uma produção agrícola maior, mas ignorasse que essa maior produção é excludente socialmente, ecologicamente insustentável e beneficia com exclusividade as grandes multinacionais que produzem para exportar", ressaltou Ribeiro. Benítez, por seu lado, respondeu que "a FAO só pode chamar a atenção para tais fenômenos e propor medidas; os Estados são soberanos e eles podem, ou não, adotar políticas com base em nossas propostas".

Ribeiro também chamou a atenção para a expansão da agricultura geneticamente modificada. "O caso mais grave é o do milho mexicano, pois o governo liberou seu cultivo em benefício de várias companhias, como Monsanto e DuPont Pioneer", ressaltou. O milho é componente essencial da dieta da população mesoamericana, do México à Costa Rica. Além disso, o México "é a origem geográfica mundial" deste grão. Nesse país, "o milho é mais do que alimento, é pilar essencial da identidade nacional e da tradição", acrescentou a ativista.

Países em situações semelhantes, como a China com a soja, e regiões do sudeste asiático com o arroz, proíbem o cultivo de variedades transgênicas para salvaguardar seu patrimônio biológico, pontuou Ribeiro. "Algo semelhante o México deveria fazer com o milho". Por outro lado, pesquisas indicam que o milho transgênico pode ser nocivo para a saúde.

"Uma equipe de cientistas franceses mostrou que o milho transgênico causou câncer em ratos", acrescentou Ribeiro. "Outro estudo, em poder da agência europeia sobre segurança em alimentos, mostra que a maioria dos cultivos aprovados nos Estados Unidos (54 de 86) contém partes de um vírus que não foram reconhecidas ao serem aprovados e que podem ter efeitos negativos em plantas, animais e humanos", ressaltou.

Benítez afirmou que "na FAO estamos conscientes de que o monopólio de terra e os grandes complexos agrícolas podem provocar exclusão social e serem insustentáveis ecologicamente. Os governos têm que ponderar os benefícios no curto prazo com os custos de longo prazo, que podem ser muito maiores, e decidir a partir daí". Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>