África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

As contas pendentes em desmatamento na Amazônia brasileira
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 20/6/2013, (IPS) - Com uma estratégia ousada, o governo brasileiro conseguiu reduzir o desmatamento da Amazônia em 84% nos últimos oito anos.


Crédito: Mario Osava /IPS
As pequenas queimadas são um problema de desmatamento que se conseguiu reduzir na Amazônia brasileira.
Entretanto, se forem contabilizados os recursos naturais e os pesticidas utilizados na produção agropecuária, esse progresso ambiental diminui. O anúncio foi feito este mês pela presidente Dilma Rousseff, e pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, com o tom de "tarefa quase cumprida", disse à IPS o diretor do Departamento de Combate ao Desmatamento da Amazônia, Gustavo Oliveira.

Entre agosto de 2011 e julho de 2012 foram desmatados 4.571 quilômetros quadrados da Amazônia, maior índice desde que em 1988 o Instituto de Pesquisas Espaciais estabeleceu o controle via satélite. Isto supõe uma queda de 27% em relação ao mesmo período precedente. "Chegamos ao menor índice de desmatamento de toda a série histórica iniciada em 1988", afirmou a ministra.

Em 2004, quando foi estabelecido o interministerial Plano de Ação para Prevenção e Controle de Desmatamento, Queimadas e Exploração Madeireira Ilegal na floresta amazônica, a perda foi de 27.772 quilômetros quadrados. O desmatamento de 2012 representa uma redução de 84% desde o começo do plano, declarou a ministra. A região amazônica ocupa 5.033.72 quilômetros quadrados, 61% do território brasileiro, e a queda de seu desmatamento foi essencial para que o país se aproxime da meta de redução de gases-estufa que provocam o aquecimento global.

O Brasil se comprometeu voluntariamente a reduzir, até 2020, o desmatamento em 80%, em relação ao nível de 1990. "Já alcançamos 76% dessa meta", ressaltou a ministra no dia 5. "Vários setores contribuíram para isso. O governo federal ao melhorar a fiscalização reduziu o corte ilegal de madeira na Amazônia, bem como a expansão da queima da superfície florestal para atividades agropecuárias", explicou Carlos Painel, da não governamental Alternativa Terra Azul.

O plano foi lançado no começo do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2011), com três eixos entrecruzados: maior controle e punição contra o corte ilegal, estímulo às atividades sustentáveis e ordenamento territorial. Com este último foram criadas as unidades de conservação florestal, que totalizam 250 mil quilômetros quadrados, equivalentes a 75% das áreas sob proteção ambiental do mundo, segundo dados oficiais locais.

Os ambientalistas comemoram os resultados, mas alertam para aspectos colaterais e ameaças futuras. "Houve um retrocesso no último ano, principalmente depois da aprovação do novo Código Florestal", destacou Painel à IPS. Esse polêmico código, promovido pelo poderoso setor agropecuário, reverteu a queda do desmatamento, "colocando novamente em perigo a Amazônia", afirmou.

Por exemplo, sob seu manto foi estabelecida uma anistia aos que cortaram madeira ilegalmente antes de julho de 2008. Isso reforçou uma sensação de impunidade entre os grandes produtores agropecuários e ao madeireiros ilegais, assegurou à IPS o ex-deputado pelo Partido Verde, Fernando Gabeira. "Esses atores da Amazônia entenderam que era preciso continuar desmatando o mais rápido possível", ressaltou.

Governo e ambientalistas consideram que nas "contas amazônicas" deve ser incluído um fator adicional: a expansão econômica de um país que cresce como potência mediante dois pilares: produção agropecuária e mineração. O Brasil é um dos maiores exportadores de soja, carne e açúcar, e a sua meta é se transformar no maior produtor mundial de alimentos. A China é atualmente o principal importador do setor agropecuário brasileiro.

"O desmatamento depende muito do crescimento econômico e, sobretudo agora, depende muito da China, que compra carne, soja e minerais. Da relação com os chineses depende muito do processo futuro", pontuou Gabeira. Carlos Painel assegurou que, junto com os madeireiros ilegais, a expansão em terras amazônicas da pecuária e de cultivos como a soja são fatores que incidem fortemente no desmatamento do território. E acrescentou que "é importante que na produção agrícola sejam contemplados todos os insumos. Não estão contabilizados os recursos naturais utilizados, nem existe uma produção mais orgânica e sustentável", criticou.

Painel também recordou que o Brasil é o maior consumidor mundial de pesticidas e que o país não inclui na conta de seu crescimento econômico nem em suas exportações custos como a água consumida pelo agronegócio. "Para cada quilo de carne exportada, são consumidos milhares de litros de água, recurso que é mundialmente um bem precioso", acrescentou. Também mencionou outros recursos naturais que não são contabilizados, como o uso da terra, "um recurso que poucos países têm como o Brasil". Tampouco descontam o "exagerado" consumo de combustíveis para a produção e o transporte terrestre utilizado majoritariamente para levar a produção aos portos.

"A conta tem que incluir outros fatores como sustentabilidade, questão social, benefício do país e, principalmente, o investimento e uma nova tecnologia que aumente a produção com menos recursos naturais e sem contaminantes", acrescentou Painel. "Não temos motivo para assumir o papel de alimentar o mundo. Podemos contribuir. Mas essa não é a função do Brasil, a de alimentar milhares de milhões de porcos da China com grãos de soja", enfatizou.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, as áreas de pastagem e de vegetação secundária (como floresta em crescimento) aumentaram 22% entre 2008 e 2010. As pastagens ocupam crescentemente áreas de recente desmatamento. "Isto demonstra que é possível produzir de forma sustentável com a preservação do meio ambiente mediante práticas agrícolas sustentáveis", indicou Izabella Teixeira.

Porém, o governo admite que, para manter resultados positivos na Amazônia, é preciso reforçar a promoção de atividades econômicas sustentáveis e assegurar que o plano passará a focar isso. Oliveira mencionou, como exemplo, a quantidade de terras amazônicas ainda sem adjudicar, que poderiam se converter em áreas para um manejo florestal sustentável, para o assentamento de populações ou para produção.

"Temos que separar a palha do trigo porque há pessoas de boa fé que estão na Amazônia trabalhando corretamente, respeitando a legislação ambiental e construindo um futuro de forma correta", explicou Oliveira. Infelizmente, a maioria persiste em comportamentos ilegais", acrescentou. Uma experiência positiva nesse sentido, segundo Oliveira, é o pacto de não comprar soja de áreas desmatadas, vigente desde 2008 e cumprido por 90% dos empresários.

Também há um compromisso pecuário para que os frigoríficos não adquiram carne de áreas desmatadas ilegalmente. O Brasil não pode baixar a guarda em demonstrar que pode crescer e manter suas florestas, disse Oliveira. Painel acredita que para isso será preciso "mudar a visão do agronegócio no Brasil, que tem um papel importante na economia nacional, mas seu rumo está totalmente atrasado". Salvo poucas exceções, "os grandes produtores querem o maior número de terras possível e por isso avançam sobre unidades de conservação, sobre territórios indígenas, sobre rios... Não têm nenhum pudor em acelerar ao máximo o processo de desmatamento para a produção", concluiu Painel. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
 Las razones por las que Kazajstán desmanteló su arsenal nuclear
 VIH/sida llama a revisar desventajas sociales en Cuba
 Las mujeres, pilar en la lucha social de la Patagonia chilena
MÁS >>