África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Avistar baleias, não comê-las
Lowana Veal

Reikjavik, Islândia, 27/6/2013, (IPS) - Após uma pausa de dois anos, a Islândia reiniciou a caça de baleias de barbatana. Porém, ambientalistas de outros países se esforçam para freá-la.


Crédito: Lowana Veal/IPS
Morta, e já sem sua barbatana, uma baleia é devolvida ao porto de Reikjavik.
Um consórcio de quatro organizações ambientalistas divulgou em maio um comunicado sobre o fabricante de alimentos para animais de estimação Michinoku Farms, exigindo que este deixe de produzir guloseimas para cães com barbatana de baleia dessecada de origem islandesa.

O consórcio é formado pelo Instituto de Bem-Estar Animal (AWI), a Agência de Pesquisa Ambiental (EIA), a Whale and Dolphin Conservation e pela japonesa Ikan (Rede de Ação de Golfinhos e Baleias). Os produtos denunciados também apareceram no site da empresa no começo deste ano. A publicidade funcionou. O diretor de Michinoku, Takumo Konno, anunciou em questão de horas que os manjares caninos seriam retirados do mercado, porque, mesmo sendo legais no Japão, não queriam ferir os sentimentos de ninguém.

Em maio, uma coalizão de organizações norte-americanas dedicadas ao bem-estar animal e à conservação, incluídas AWI e EIA, pediram ao governo de Barack Obama que impusesse sanções econômicas à Islândia por ter reiniciado a caça de baleias. Antes, em setembro de 2011, ao final da última temporada de caça de baleias para obter suas barbatanas, e por instigação de 19 organizações não governamentais dos Estados Unidos, Obama decidiu impor sanções diplomáticas à Islândia por suas atividades baleeiras. Mas esses grupos dizem que agora são necessárias medidas mais fortes.

"Devido à decisão de reiniciar a caça de baleias para obter suas barbatanas na Islândia, cremos que agora está absolutamente claro que estes esforços diplomáticos não conseguiram seu objetivo", disseram as organizações na carta enviada aos secretários de Estado, Comércio e Interior. Até agora não foram impostas sanções comerciais. O grupo de ativistas globais pela internet Avaaz lançou em maio uma petição dirigida ao primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, para tentar impedir que carne de baleias islandesas entrasse em portos desse país a caminho do Japão.

A meta era conseguir um milhão de assinaturas. A Avaaz conseguiu, e apresentou sua petição ao secretário de Estado holandês para Assuntos Econômicos, Sharon Dijksma, que prometeu trabalhar com as autoridades do porto de Roterdã para frear a transferência de carne de baleia. Dijksma também anunciou que conversaria com seus pares europeus para desenvolver um exaustivo código europeu de conduta.

A pressão antibaleeira também é crescente dentro da Islândia. Duas mulheres, netas de um dos membros fundadores da empresa baleeira Hvalur e que agora integram a junta diretora da companhia, se manifestaram publicamente contra as atividades dessa empresa. Na reunião geral anual da Hvalur, no dia 1º deste mês, uma delas, Audur Kristin Arnadottir, pediu que a empresa fosse dividida em duas, já que a seção baleeira não dá lucro devido às restrições internacionais à carne de baleia. A proposta de Arnadottir foi uma emenda a uma proposta de outro acionista para dissolver completamente a companhia. Apesar de nenhuma proposta ter sido aprovada, parece que houve certo grau de dissensão dentro da empresa.

No começo deste mês, a irmã de Audur, Birna Björk Arnadottir, escreveu um artigo no jornal Frettabladid, no qual explica que originalmente era favorável à caça de baleias, mas que agora mudou de pensamento. Segundo afirmou, um motivo provável para a minguante popularidade do consumo destes animais no Japão foram as campanhas de organizações contrárias a esta prática. A Ikan garante que a carne de baleia islandesa constituiu 26% do mercado do Japão em 2012, e que é vendida a um preço particularmente baixo.

Kristjan Loftsson, dono da Hvalur e principal protagonista por trás de suas atividades baleeiras, havia atribuído a suspensão das capturas por dois anos a uma redução nas vendas de carne de baleia, causada por uma mudança nos padrões de consumo japoneses depois do terremoto e do tsunami de 2011. Contudo, em seu artigo, Birna afirma que parte da carne de baleia correspondente às safras 2009-2010, quando foram reiniciadas as capturas, ainda está em frigoríficos no Japão. A caça comercial para obter as barbatanas de baleias foi retomada em junho de 2009.

Os caçadores de baleias minke também enfrentam oposição dentro da Islândia. Em seu último dia no cargo, há um mês, o então ministro da Indústria, Steingrimur J. Sigfusson, estendeu a área de santuário da baía de Faxafloi (perto de Reikjavik), onde não é permitida a caça dessa variedade. Isto significa que os caçadores dessa espécie de baleia perderam 80% de sua principal área de capturas, o que também os leva a procurar outras áreas. "A mudança teve um efeito muito negativo em nossas operações. Mas esperamos que o novo ministro de Agricultura, Pesca e Meio Ambiente volte a mudar a legislação de imediato", disse Gunnar Bergmann Jonsson, da Associação de Caçadores de Baleias Minke.

Kjartan Sveinsson, da empresa Seawatching, que organiza viagens de barco para observação de baleias a partir de Hvammstangi, 200 quilômetros ao norte de Reikjavik, se queixou há uma semana de que os caçadores da variedade minke estavam perturbando as focas e suas crias na área. Mas isto ocorreu só uma vez. "Conversamos com eles e acabaram entendendo. Desde então não se aproximaram de nós", disse à IPS. Sveinsson acrescentou que o conflito ocorreu quanto à distância da colônia de focas. A Associação de Caçadores de Baleias Minke anunciou nesse dia que dois cetáceos dessa variedade foram pegos em águas de Hvammstangi. Jonsson disse que continuará suas operações no norte, pelo menos por enquanto.

O Fundo Internacional para o Bem-Estar dos Animais (Ifaw) acaba de lançar em Reikjavik sua campanha "Conheça-nos, não nos coma", contra a caça de baleias, pelo terceiro ano consecutivo. Sigursteinn Masson, do Ifaw, disse que o impacto foi positivo. "Um estudo realizado a bordo de embarcações de avistamento de baleias em 2009 mostrou que até 40% dos turistas provavam a carne desses animais quando estavam na Islândia. Em uma pesquisa que o Ifaw fez no último verão boreal, a proporção havia caído para 22%", destacou à IPS, acrescentando que isto coincide com a quantidade de baleias minke capturadas nesses anos, 81 em 2009 e 52 em 2012.

"Agora iniciamos a campanha "Restaurantes livres de baleias". Os quase 200 mil turistas que se espera participarão do avistamento de baleias na Islândia este ano são incentivados a irem a um destes restaurantes, que prometem não vender carne de baleia", acrescentou Masson. O barco Hvalur 8 acaba de retornar à Islândia após capturar 11 baleias de barbatana. A cota para esta safra é de 154, embora a cota anual nunca tenha sido alcançada desde o reinício da caça comercial, em 2006. O mesmo se aplica às minke. Para este ano poderão ser capturadas até 229 baleias. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
 Al Bagdadi y la guerra sin cuartel en nombre del califato
 Costo y oportunidad del petróleo no convencional en Argentina
 Indígenas panameños quieren aprovechar mejor sus bosques
MÁS >>