África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"A percepção de insegurança cresce com a prosperidade do povo"
Marianela Jarroud

Santiago, Chile, 28/6/2013, (IPS) - Apesar de "o narcotráfico ser uma ameaça que pesa sobre a América Latina, as elites evitam o tema porque não sabem como abordá-lo", afirmou em entrevista à IPS a socióloga chilena Marta Lagos.


Crédito: Gentileza do Latinobarômetro.
Marta Lagos: “Na medida em que se soluciona a pobreza e os países consolidam a democracia, a população dá maior importância à violência e à criminalidade”.
A insegurança e a sensação de que aumenta estão associadas à prosperidade e não à pobreza, apontou. O informe divulgado no ano passado pela corporação Latinobarômetro, que ela dirige, indica que a segurança da sociedade em 11 dos 18 países analisados é o principal problema mencionado pelos entrevistados, com porcentagens que vão de 20%, no Peru, a 61%, na Venezuela, o que deixa uma média regional de 28%.

Esta empresa de consultoria internacional elabora e divulga estudos de opinião pública, que distribui anualmente em 18 países da região. O próximo informe sobre esta matéria está previsto para ser publicado entre agosto e setembro. Marta Lagos disse que a recuperação da democracia na década de 1980 e começo dos anos 1990 em muitos países latino-americanos trouxe consigo uma abertura de informação que, progressivamente, foi conscientizando a população sobre a importância da violência de rua, o crime e a delinquência.

IPS: Qual a evolução da segurança pública na América Latina nos últimos anos?

MARTA LAGOS: Há duas coisas a considerar: uma é a quantidade de delitos registrados de maneira recorrente nas sociedades, e a outra é o conhecimento público da existência deles. As duas coisas não têm a mesma evolução, segundo demonstra o informe de 2012. Há países onde por muitos anos a pobreza, a repressão estatal, o autoritarismo, a ditadura, deixavam explícita a existência de outros problemas que eram mais importantes do que o crime e a delinquência. Então, estes não apareciam como os temas principais de preocupação da sociedade. Na medida em que se vai solucionando o problema da pobreza e que os países voltam à democracia e vão tendo mais informação sobre o que ocorre, independente de os níveis de crimes não variarem muito, cresce progressivamente a importância da violência na rua e a criminalidade comum. A partir de 2009-2010, o peso do tamanho dos crimes, a vitimização, a violência e a delinquência começam a se equiparar com o peso que tem a opinião pública, pela primeira vez. Isso faz com que a percepção de delinquência na América Latina dispare a níveis muito altos em média, inclusive em países onde, aparentemente, os níveis desse problema são menores, como Chile e Uruguai.

IPS: Isso explicaria que países como Argentina e Uruguai apareçam com os mais altos indicadores de sensação de insegurança e, como contraste, apresentem índices de criminalidade menores do que outros países.

ML: Exato, é que o índice de quantidade e crime não é tão relevante com a congruência entre os dois e ao longo do tempo para cada país. Por exemplo, durante muitos anos na Venezuela e no México a percepção de crimes e de violência estava em 1% ou 2%, enquanto os crimes chegavam a 30% ou 40%. Atualmente, o crime e a violência nesses dois países estão no mesmo nível que a percepção do crime. Há um segundo fenômeno que é o aumento da criminalidade e do crime. É o caso de Honduras, Venezuela e Argentina, que duplicam o impacto da presença do crime e da segurança pública como o tema principal da América Latina.

IPS: Existe relação entre a insegurança e os níveis de pobreza?

ML: Em princípio, nenhuma, porque os países latino-americanos são historicamente muito pobres. A percepção de insegurança tem a ver mais com a prosperidade, se produz sobre a propriedade. A ciência política descreve isso claramente: as revoluções não acontecem em momentos de depressão ou de grandes dificuldades econômicas, porque ninguém tem nada. Os alertas e as preocupações e problemáticas se produzem quando se começa a acumular posses. O chamado quinquênio virtuoso, entre 2003 e 2008, quando se dá o grande crescimento econômico, a estabilidade que vem aumentando na América Latina, a maneira como se enfrentou a crise, faz com que de alguma maneira em muitos países aumente a delinquência porque há algo para roubar.

IPS: E entre segurança e educação, há alguma relação?

ML: Há uma relação, mas é cada dia mais fraca porque, infelizmente, nos últimos cinco ou seis anos, foi o crime organizado que tomou as ruas. Antigamente, quando os crimes eram esporádicos, havia uma relação mais importante.

IPS: Os países sabem enfrentar o crime organizado e o narcotráfico?

ML: Creio que não se dá suficiente importância à influência do narcotráfico na instalação organizada do crime e da delinquência. Me parece que aí existe uma correlação oculta que de alguma forma se ignora nos governos como o do Peru, onde o que se chama de delinquência é, no fundo, narcotráfico.

IPS: Os planos dos órgãos internacionais para ajudar os governos a combater o problema têm resultado?

ML: Difícil falar dos órgãos internacionais, mas o que se pode saber com certeza é que o investimento de dinheiro que faz a Administração de Controle de Drogas (DEA) dos Estados Unidos aumentou exponencialmente quase na mesma velocidade que aumentou a penetração do narcotráfico. Nesse sentido, alguém poderia dizer que há um fracasso total nas estratégias de combate ao narcotráfico. Além disso, não existe uma política preventiva. Isto é como a evasão fiscal. Alguém poderia dizer que a União Europeia conseguiu evitá-la, mas esta acontece nas Ilhas Virgens. Com o narcotráfico acontece o mesmo, por mais que os organismos norte-americanos continuem investindo milhões e mais milhões de dólares, não conseguem vencer a luta contra o narcotráfico. Para mim esta é uma ameaça que pesa sobre a América Latina e que não está suficientemente presente na agenda e que penetrou em todos os países, nas classes médias, na juventude, e é um tema que as elites evitam. Envolverde/IPS

(FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>