África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Expansão monetária, o remédio pode ser pior do que a doença
Fernando Cardim de Carvalho*

Rio de Janeiro, Brasil, julho/2013 , (IPS) - Os líderes mundiais demoraram algum tempo para se darem conta de que a crise financeira, iniciada após o colapso do setor das hipotecas de alto risco nos Estados Unidos, em 2007, não esgotaria seus efeitos em uma simples recessão.

Durante a maior parte de 2007 e 2008, as autoridades governamentais, especialmente nos Estados Unidos, argumentaram, corretamente, que os créditos hipotecários de alto risco eram um segmento relativamente pequeno do sistema financeiro norte-americano, concluindo, erroneamente, que a crise poderia ser facilmente contida mediante os recursos convencionais à disposição do Departamento do Tesouro e do Federal Reserve.

Entretanto, a crise se estendeu a outros setores dos mercados financeiros norte-americanos e, em setembro de 2008, com a quebra do Lehman Brothers, se propagou para grande parte do mundo.

Sucessivamente, a provisão de créditos se contraiu e a crise financeira se transformou em uma crise econômica, com uma produção minguante e crescente desemprego.

A comprovação de que a crise era mais profunda do que o previsto inicialmente fez com que os governos reagissem mediante a adoção de políticas macroeconômicas antirrecessivas. Foram aplicadas políticas fiscais e expansões monetárias, de uma forma ou outra, não só nos Estados Unidos e na Europa ocidental, mas também em muitos países em desenvolvimento, entre 2008 e 2009.

O colapso da produção e o emprego nas economias industrializadas foi contido, e o fantasma de um desastre como o do começo dos anos 1930 foi exorcizado, ao menos temporariamente e para alguns países. Neste ponto, o debate nas nações avançadas sobre as políticas econômicas mudou de rumo.

Embora a recessão continuasse e o desemprego aumentasse mais do que antes da crise, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa, o debate deixou de centrar-se nos problemas reais e se alojou no equilíbrio orçamentário.

Os conservadores, desde a lunática extrema direita do Tea Party nos Estados Unidos, até os governos do norte da Europa guiados por partidos ou coalizões de direita, puseram freio às políticas fiscais dirigidas a incentivar a produção e o emprego.

Desde então, o recurso das políticas fiscais antirrecessivas se tornaram publicamente inaceitáveis, mesmo quando a produção diminui e o desemprego cresce. Nestas condições, só resta um instrumento para enfrentar a crise: a política monetária.

Tradicionalmente, esta política opera na economia mediante variações das taxas de juros. Mas os juros aplicados por autoridades monetárias, como o Federal Reserve dos Estados Unidos ou o Banco da Inglaterra, por exemplo, já eram muito baixos, próximos de zero.

Portanto, pouco podia fazer a política monetária convencional para compensar a falta de uma política fiscal antirrecessiva racional.

Neste contexto, foram formuladas as políticas de expansão monetária quantitativa nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha e mais recentemente no Japão, enquanto o Banco Central Europeu não termina de definir sua própria política.

As manobras de expansão monetária são simplesmente iniciativas para injetar dinheiro na economia em quantidade suficiente para estimular a oferta de crédito para empresas e consumidores.

Quais são os resultados destas políticas? Certamente, as economias industrializadas que as adotaram ainda estão lidando com a crise. Uma leitura generosa costuma sustentar que, embora as coisas ainda não estejam bem, estariam muito pior se essas políticas não fossem aplicadas.

Para as economias em desenvolvimento, o impacto é certamente ambíguo. Por um lado, costuma-se argumentar que, se não mediassem as manobras de expansão monetária, os países industrializados estariam em uma situação muito pior, e que isto repercutiria nas economias em desenvolvimento. Com uma recessão mais profunda nas economias industrializadas, o intercâmbio comercial teria caído ainda mais, criando problemas na balança de pagamentos de muitos países em desenvolvimento.

Do ponto de vista dos países em desenvolvimento, a expansão monetária não é a melhor maneira de apoiar a produção e o emprego. Adotada pelos países avançados, induz uma abundante liquidez que se oferece a juros muito baixos, e isto faz com que uma parte dessa massa monetária migre em busca de maiores rendimentos, provocando a desvalorização da moeda do país que a pratica.

Esta manobra produz dois estímulos pelo preço de um: os menores juros estimulam a produção interna e os investimentos, e as moedas desvalorizadas estimulam as exportações.

Para os países em desenvolvimento a situação se inverte: recebem uma excessiva liquidez externa que valoriza suas moedas, encarecendo suas exportações e barateando suas importações.

Este processo faz surgir um déficit na balança de pagamentos que se pode financiar facilmente, precisamente, graças à enorme liquidez circulante.

Assim é até o momento em que a expansão quantitativa nos países avançados se interrompe e os países receptores descobrem, como ocorreu tantas vezes no passado, que acumularam uma dívida externa que pode levá-los à crise.

Seria melhor que os países industrializados não praticassem a expansão monetária? Bem, os governos destes países tinham que fazer algo para enfrentar a crise, e a política monetária era o único instrumento que lhes restava após o veto dos partidos de direita contra a política fiscal.

Entretanto, é inquestionável que seria preferível uma política fiscal antirrecessiva nos países avançados, porque estimula suas economias sem desvalorizar suas moedas.

A expansão fiscal, em contraste com a monetária, não prejudica os demais países.

Precisamente, o Federal Reserve dos Estados Unidos já anunciou que, em um prazo relativamente breve, espera frear a terceira manobra de expansão monetária.

Esta prática causou os efeitos nocivos nos países em desenvolvimento que apontei, mas sua interrupção também apresenta riscos.

É possível, por exemplo, que as taxas de juros aumentem muito e rapidamente, criando sérios problemas aos países e às empresas que tomaram empréstimos neste período.

A volatilidade que pode engendrar mediante mudança de direção é um problema em si mesmo, pois afugenta os investidores e deprime a produção. Uma política de estímulo para sair de uma depressão é a atitude correta, mas a expansão monetária é um instrumento que, definitivamente, representa grandes riscos, em curto e médio prazos, para a situação macroeconômica. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Cultura de Cuba ya no es para cualquier bolsillo
 ONU niega que esté actuando con desidia en disputa EEUU-Irán por visa
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
MÁS >>