África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Materiais de construção à cubana para resistir a furacões
Ivet González

Ciego de Ávila, Cuba, 3/7/2013, (IPS) - Casas de grossas paredes de alvenaria e resistentes tetos de concreto armado, que parecem resistir a qualquer tempestade tropical ou furacão, se erguem na periferia desta central cidade cubana, graças à incipiente produção local de materiais de construção.

"A pessoas vão melhorando suas casas neste bairro, que é bastante novo. Nós apoiamos os moradores e trabalhadores daqui, que compram os materiais e nós emprestamos a máquina de fazer blocos", contou Arcides Pérez, dono de uma pequena fábrica de blocos. "Cobramos apenas a eletricidade que gastam", acrescentou.Encravada nos arredores de Ciego de Ávila, 434 quilômetros a leste de Havana, esta indústria artesanal e ruidosa pode produzir com fornecimentos constantes até mil tijolos de concreto por dia. Conta com três moldes para elaborar igual número de tipos de tanques de asbesto cimento, que levam a marca "Arcide, C. de Ávila". Duas processadoras de cimento, carrinhos de mão, pás e uma máquina elétrica que faz dois blocos por minuto são operadas por sete homens, enquanto duas mulheres participam dos trabalhos de acabamento e preparação da matéria-prima. A equipe oferece os serviços de traslado dos tanques e montagem em tetos ou como cisternas.

Para obter a matéria-prima, Pérez e seu grupo viajam às fábricas de cimento de Santi Spíritus e Santiago de Cuba, respectivamente a 360 e 847 quilômetros a leste de Havana, para recuperar resíduos jogados fora, que depois misturam com o cimento comprado em lojas estatais para fazer seus blocos e tanques. A construção de casas é uma prioridade na atual reforma econômica do país. Por isso, entre as primeiras mudanças figurou a venda de materiais de construção em moeda nacional, a diversificação da oferta e a abertura de créditos e subsídios para famílias de baixa renda.

As autoridades esperam que, dentro de dois anos, 70% das atividades produtivas do setor habitacional sejam realizados por atores não estatais, buscando revitalizar um setor centralizado durante décadas pelo Estado. Boa parte das moradias precisa de reparos estruturais, devido à deterioração do fundo habitacional por problemas econômicos que o país arrasta há mais de 20 anos, ao descumprimento de planos de construção, aos altos preços dos materiais e da mão de obra, e aos danos deixados pelos furacões que com frequência atingem o país.

O furacão Sandy, que assolou a região oriental em outubro de 2012, afetou 137 mil unidades habitacionais em Santiago de Cuba, 65 mil em Holguín, e 8.750 em Guantânamo, as outras duas cidades mais afetadas da região, segundo informe do escritório da Organização das Nações Unidas (ONU) em Cuba. Os eventos extremos como chuvas intensas se acentuarão devido à mudança climática na região do Caribe, onde o setor de moradia foi o que menos atenção recebeu na última década, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Em particular, os meteoros (fenômenos atmosféricos) tenderão a se intensificar com maior rapidez, disse à IPS o meteorologista José Rubiera. Em 2008, os furacões Fay, Gustav, Ike e Paloma provocaram os maiores prejuízos registrados desde 2001 até a atualidade, deteriorando 647.111 casas no país. Destas, 84.737 caíram totalmente, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas e Informação (Onei). Diante deste cenário, o principal desafio continua sendo aumentar a produção de materiais de construção, um problema que começa a ter algumas soluções em nível local.

Iniciativas privadas como a de Pérez ampliam um pouco o reduzido acesso aos blocos, um dos materiais mais procurados nas lojas estatais. "Vendemos os blocos a cinco pesos (cerca de US$ 0,25), como o Estado", explicou Pérez. "O fornecimento dos materiais é inconstante porque escasseia o cimento nos estabelecimentos. Há três meses que apenas faço reparos e tanques, além de transportá-los e montá-los devido à falta de cimento", acrescentou.

Rodobaldo Ibarne, de 60 anos, apostou em alternar a produção de blocos por encomenda com seu emprego em uma empresa estatal da construção. Só com uma pá, um carrinho de mão e um molde, ele obtém, junto com outro trabalhador, até 80 blocos diários em Grego, uma localidade nos arredores do município de Ciego de Ávila. "As lojas estatais não atendem a demanda", afirmou à IPS, acrescentando que não pode ampliar seu negócio por problemas de saúde e falta de espaço.

A produção de vários insumos básicos em Cuba diminuiu em 2012, segundo os últimos dados divulgados pelo Onei. Os telhados metálicos, as telhas de asbesto cimento e as vigas de aço negro foram os itens que mais diminuíram. Além disso, em 2011 foram concluídas 32.640 moradias no país, contra 32.103 no ano passado. Para melhorar a habitação, o pesquisador Fernando Martirena propõe projetar materiais de construção mais ecológicos e baratos, que sejam obtidos de maneira industrial, além de fortalecer a produção e o aproveitamento das capacidades locais, com a criação de pequenas indústrias de ecomateriais.

A fábrica Siguaney, de Santi Spíritus, começou a produzir em abril as primeiras 240 toneladas de cimento ecológico desenvolvido pelo estatal Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Estruturas e Materiais (Cidem), da Universidade Central Martha Abreu, de las Villas, sob a direção de Martirena. Este cimento, à base de um produto obtido a partir de caolim e pedra calcárea sem queimar, será comercializado a partir de 2014. "Ele reduz o custo de produção em 28% e contribui para mitigar os efeitos da mudança climática, ao reduzir as emissões de dióxido de carbono durante a fabricação", ressaltou o especialista à IPS.

O Cidem trabalha desde 1995 diretamente com comunidades cubanas no desenvolvimento de um sistema para a produção local de materiais da construção elaborados com baixa energia e reciclados, como telhas de microconcreto TMC, cimento puzolânico CP-40, elementos pré-fabricados e tijolo de cerâmica vermelha, entre outras tecnologias adequadas para zonas rurais e periurbanas. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
 OPINION: Contras and Drugs, Three Decades Later
 U.S. Contractors Convicted in 2007 Blackwater Baghdad Traffic Massacre
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Â¿La hora del cambio entre Cuba y Estados Unidos?
 Finalmente, Guatemala juzgará a militares por esclavitud sexual
 La reforma política de Rousseff ya enfrenta trabas en Brasil
 Avance en negociación nuclear con Irán depende ahora de Rusia
 â€œUruguay promueve flexibilizar el Mercosur para fortalecerlo”
MÁS >>