África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"Para o Irã importam as ações dos Estados Unidos, não suas palavras"
Jasmin Ramsey

Washington, 17/7/2013, (IPS) - O novo governo do Irã estará disposto a dialogar sobre o futuro de seu plano de desenvolvimento atômico, mas somente será superada a paralisação se os Estados Unidos mudarem sua postura, afirmou um diplomata e ex-negociador nuclear iraniano.


Crédito: Cortesia de Mousavian
Seyed Hossein Mousavian foi porta-voz da equipe negociadora dirigida pelo agora presidente eleito do Irã.
A vitória de Hassan Rouhani nas eleições do Irã, no mês passado, despertou expectativas nesse país, mas teve reações mais cautelosas na comunidade internacional.

O jornal The Wall Street Journal informou, no dia 13, que Washington procuraria conversações diretas com Teerã, mas ainda falta ver se o governo de Barack Obama está aberto a negociar um acordo aceitável para as duas partes. Rouhani ganhou o apelido de "xeique diplomático" quando foi negociador-chefe de seu país nas conversações internacionais sobre o programa de desenvolvimento nuclear iraniano, entre 2003 e 2005.

Israel, que há mais de duas décadas alerta que Teerã está perto de desenvolver tecnologia para fabricar armas atômicas, insiste para que Washington pressione esse país e o ameace militarmente. "O importante a ser transmitido aos iranianos, especialmente depois das eleições, é que a política não mudará. E isso deve ser apoiado por algumas sanções cada vez mais fortes e por uma ação militar", disse o primeiro-ministro israelense, Benjamín Netanyahu, à rede de televisão norte-americana CBS.

Entretanto, segundo o embaixador Seyed Hossein Mousavian, ex-porta-voz da equipe negociadora de Rouhani, Teerã não mudará sua postura, a menos que Washington faça o mesmo. A IPS entrevistou Mousavina, agora pesquisador na Escola Woodrow Wilson de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade de Princeton, sobre as perspectivas de uma solução para a crise envolvendo o programa atômico iraniano.

IPS: Seu artigo para a revista Cairo Review, escrito mais de um mês antes da vitória de Rouhani, gerou muito debate sobre a opção iraniana de se retirar do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP). Teerã considera isto seriamente?

SEYED HOSSEIN MOUSAVIAN: Como disse no artigo, a primeira e mais favorável opção para o Irã é continuar procurando uma solução pacífica para o ponto morto. Expliquei quais foram as cinco grandes demandas do P5+1 (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China, Rússia mais Alemanha) apresentadas nas últimas conversações para impedir que o Irã aumente sua capacidade atômica e para garantir um máximo nível de transparência. Por sua vez, o Irã apresentou duas demandas: que as sanções sejam levantadas e tenha seus direitos reconhecidos sob o TNP. Também propus que as potências mundiais e o Irã incluam todas as suas demandas dentro de um pacote de medidas a serem aplicadas passo a passo e reciprocamente. Nunca foi intenção do Irã se retirar do TNP. Foram Estados Unidos e Israel que puseram "todas as opções sobre a mesa", deixando aberta a possibilidade de um ataque militar contra instalações nucleares iranianas. Esta política vai contra a Carta da Organização das Nações Unidas (ONU) e do TNP, já que dois países com armas nucleares, Estados Unidos e Israel, estão ameaçando atacar o Irã, país sem arsenal atômico. Portanto, enquanto continuar sendo válida a política norte-americana de ter "todas as opções sobre a mesa" o Irã, como Estado soberano, se verá forçado a fazer o mesmo.

IPS: O governo de Barack Obama afirma que Teerã ainda não respondeu formalmente à sua oferta para restabelecer a confiança proposta em Almaty, no Cazaquistão, em fevereiro passado. Em sua opinião, por que o Irã não respondeu? O senhor espera que haja uma resposta por parte do novo governo de Rouhani?

SHM: A proposta do P5+1 em Almaty incluía grandes demandas e oferecia muito pouco em troca. A administração de Rouhani estará disposta a procurar um acordo justo e equilibrado, que contemple todas as grandes demandas das duas partes, que esteja baseado no TNP e que seja incluído em um pacote de medidas implementadas de forma proporcional e recíproca.

IPS: Uma das condições para uma solução negociada é que se reconheça o direito do Irã de enriquecer urânio?

SHM: Seria parte desse pacote.

IPS: Alguns membros do Congressos dos Estados Unidos gostariam de impor mais sanções ao Irã antes que Rouhani assuma. Que efeito teria isso nas perspectivas das negociações?

SHM: O Irã nunca participará de conversações diretas nem se envolverá seriamente enquanto os Estados Unidos continuarem com sua política de sanções e de pressão. Se Washington realmente procura mudar de enfoque, deve demonstrá-lo com um ato de boa vontade, em lugar de aumentar as hostilidades e a animosidade. Os iranianos dão importância às ações dos Estados Unidos, não apenas às palavras.

IPS: Como é o equilíbrio de forças no Irã entre os que querem adotar uma linha dura e os que são a favor de maior flexibilidade? E qual é o efeito das sanções no debate interno?

HSM: Há duas tendências de pensamento no Irã com relação ao tema nuclear, mas o que ninguém disputa é o direito nacional de adquirir tecnologia atômica com fins pacíficos, incluindo o enriquecimento de urânio. De todo modo, o P5+1 e o enfoque ocidental sobre o tema nuclear têm uma importante influência nessas duas tendências. Quando eu era membro da equipe negociadora nas conversações realizadas entre 2003 e 2005 com três potências europeias (Grã-Bretanha, França e Alemanha), o Irã demonstrou uma grande abertura para resolver a disputa. Lamentavelmente, não se conseguiu um acordo final porque os Estados Unidos continuavam negando os direitos legítimos do Irã sob o TNP. A intransigência dos Estados Unidos alterou o equilíbrio de forças dentro do Irã e favoreceu os mais radicais. Portanto, o Ocidente procura cooperação e flexibilidade do Irã, mas deve responder de forma proporcional e apropriada.

IPS: Em sua primeira entrevista coletiva, o presidente eleito Rouhani se referiu a Israel simplesmente como Israel, sem nenhum adjetivo nem ofensas. Acredita que isto reflete um novo enfoque?

SHM: Rouhani não é um homem de um discurso radical. É cortês, usa a lógica e respeita as normas e as regulações internacionais. A resolução da disputa com o Irã dependerá de as tradicionais políticas ocidentais de pressão, sanção, ameaças e humilhação serem trocadas pelo respeito, pelo reconhecimento dos interesses mútuos e pela cooperação com o governo de Rouhani. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Bypasses Security Council on Impending Invasion of Syria
 Obama’s Anti-ISIS Strategy Met with Scepticism
 Mideast Nuclear Weapons-Free Zone Remains in Limbo
 U.S. Military Joins Ebola Response in West Africa
 OPINION: ISIS Primarily a Threat to Arab Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 El eterno retorno hacia la nada de los migrantes afganos
 Panamá construye modelo de seguridad alimentaria
 Zona franca podría ser un “suicidio” para productores de Taiwán
 Decir no a la guerra y a la propaganda bélica
 Fin de la ley amnistía en Chile, más allá de lo simbólico
MÁS >>