África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Colaboração suíça de longo alcance em Cuba
Patricia Grogg

Havana, Cuba, 23/7/2013, (IPS) - Globalmente, cinco programas encabeçarão o trabalho da Cosude no período 2013-2016: mudança climática, água, segurança alimentar, saúde e migrações.


Crédito: Jorge Luis Baños/IPS
Regula Bäbler: “Nosso trabalho tem como objetivo o bem-estar das pessoas”.
"Estes assuntos são trabalhados de maneira global e regional, como, por exemplo, o de adaptação à mudança climática na região", explicou Bäbler, que ao final de sua missão em Havana falou à IPS sobre as prioridades da Cosude, tanto em nível mundial quanto regional, como no caso particular de Cuba.

IPS: Qual o resultado da cooperação realizada pela Cosude em Cuba em matéria de mudança climática e quais desafios implica nos próximos anos?

Regula Bäbler: O contexto da cooperação com Cuba para o período 2011-2014 não é explícito sobre este tema. Contudo, o parlamento suíço aprovou, no começo de 2011, o financiamento extra para projetos dedicados à adaptação à mudança climática. Este foi um impulso importante para a cooperação do meu país em todos os países. Graças a contrapartes que já haviam apresentado progresso nesse assunto, conseguimos apoiar três projetos. Um foi da agência de notícias IPS (Inter Press Service), que trabalha o problema com uma ótica regional a partir da comunicação, chamado Desafios da Natureza: Mudança Climática, Mitigação e Adaptação no Grande Caribe. No caso concreto de Cuba, outro destes programas permitiu ao Escritório do Historiador da cidade estudar as ameaças da mudança climática para o dique tradicional, que margeia vários quilômetros da costa de Havana. Um terceiro projeto contribuiu com um programa da ONU-Habitat para sensibilizar a população sobre os riscos da mudança climática e como se adaptar.

IPS: O projeto Basal (Bases Ambientais para a Sustentabilidade Alimentar Local) é o último que a Cosude apoia financeiramente, junto com a União Europeia. Que objetivo este programa quer alcançar?

RB: É um projeto muito ambicioso, e também muito simples, porque busca que os produtores continuem obtendo frutos de seu trabalho apesar da mudança climática. Talvez aumentem ou melhorem seus rendimentos, mas o primeiro objetivo é que se mantenha o que as pessoas têm até agora. Em princípio, abarca três municípios, embora a ideia seja que se estenda a 30. Um tema central neste projeto é melhorar a informação sobre as mudanças que ocorrem e como adaptar a produção agropecuária a problemas como a salinização dos solos, secas ou chuvas intensas e fora de época, ou furacões mais intensos.

IPS: Para quais setores se dirige a colaboração no campo social?

RB: Em geral, pensamos que é preciso velar pelo tema da igualdade. É bem conhecido que todos têm acesso a saúde, educação e o mínimo básico para viver. Mas, também observamos, e não somos os únicos, que as mudanças propostas pelo governo podem trazer desigualdades. Nos sentimos comprometidos com as pessoas e os grupos que ficariam em desvantagem porque não estão bem preparados para aproveitar essas transformações. Assim, a partir de diferentes projetos apoiamos os municípios para que tenham capacidade de descobrir e abrir possibilidades para esses setores. Tudo isto sem esquecer a igualdade de gênero, que para a Cosude é um tema transversal obrigatório, ou seja, que em cada intervenção se considere o que significa para homens e mulheres e velar por benefícios iguais. Este trabalho integra também temas como o das masculinidades e a violência de gênero.

IPS: Quais desafios trouxe à colaboração internacional o processo de atualização do modelo econômico que o governo cubano realiza?

RB: O trabalho da cooperação é apoiar mudanças para melhorar a situação das pessoas. Para mim está claro que o governo de Cuba também quer isso. Nesse sentido, o processo de atualização é bem-vindo e queremos apoiá-lo. Também sabemos que estes processos são complicados e precisam de muita adaptação e reorganização das instituições. Compreendo que o país precisa de investimento financeiro forte, que não vem da cooperação. Mas as entidades com que trabalhamos pensam que a colaboração internacional traz ideias e impulsos que também são importantes. Talvez isso seja uma boa base de diálogo com níveis altos do governo. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Japón busca trabajadores extranjeros, a regañadientes
 Recrudece la persecución a homosexuales en Uganda
 Milicias cristianas se dividen en el norte de Siria
 Reforma tributaria chilena se queda a medias
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
MÁS >>