África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
O Irã na era da moderação e da reforma
Sahar Namazikhah*

Washington, Estados Unidos, julho/2013, (IPS) - Você espera um milagre do presidente eleito do Irã, Hassan Rouhani? Não se engane. E, sobretudo, vá com calma.

Este foi o esclarecimento inicial entre os partidários de Rouhani nas redes sociais, nos blogs, meios de comunicação em geral e nos fóruns de debate, tanto virtuais quanto reais, além das reuniões posteriores às eleições presidenciais que lhe deram a vitória.

Os iranianos se emocionaram com o triunfo inesperado de Rouhani nas imprevisíveis eleições de 14 de junho.

Também entenderam, sabiamente, que este é o momento de ter expectativas moderadas, enquanto o presidente eleito dá os primeiros passos para formar seu novo governo.

Acabar com a crise econômica nacional e melhorar as ríspidas relações internacionais são algumas das prioridades na agenda de Rouhani.

A maioria dos que votaram nele reconhece que tem pela frente um caminho longo e difícil para corrigir um país com 42% de inflação, 12,3% de desemprego e liquidez de US$ 143 bilhões, segundo os dados mais recentes procedentes de Teerã.

Embora o petróleo tenha permitido que o país faturasse US$ 539 bilhões em 2012, a crise econômica do Irã piorou devido ao mau gerenciamento por parte do presidente que está deixando o cargo, Mahmoud Ahmadinejad.

A situação interna em matéria política e social também é caótica, e se soma à crise de direitos humanos.

A libertação de presos políticos foi um ponto fundamental da plataforma eleitoral de Rouhani.

O presidente eleito prometeu dar mais espaço aos jornalistas para poderem trabalhar, e anunciou que prepararia uma "carta de direitos civis", recuperaria a economia e restabeleceria as relações com o Ocidente e outros países mediante um "governo de sabedoria e moderação".

Rouhani ganhou a Presidência do Irã graças aos esforços concertados de uma jovem geração de ativistas comprometidos com a reforma.

Estes afirmavam que um enfoque moderado liderado por atores internos - que, por sua vez, se opuseram a toda intervenção estrangeira - poderia mudar efetivamente o Irã.

Os que fizeram campanha por Rouhani dentro e fora do país se uniram em suas reclamações para libertar todos os jovens, estudantes, jornalistas, advogados de direitos humanos, figuras políticas e ativistas que estão em prisão desde as eleições de 2009, e que foram testemunhas da ascensão do Movimento Verde.

Seus partidários criaram uma campanha para pedir a libertação de Mehdi Karroubi e Mir Hossein Mousavi, as duas principais figuras dos verdes.

Mas esta cobrança, apresentada nos primeiros dias posteriores à sua vitória, foi prematura.

Rouhani pode libertar prisioneiros sem que isso seja ordenado pelo líder supremo, aiatolá Ali Khamenei?

Pode cumprir as promessas feitas ao povo e governar sem uma "reconciliação" dos outros poderes do Estado, o Judiciário e o Legislativo?

Ambos estão sob controle dos conservadores, claros oponentes de Rouhani. O Artigo 110 da Constituição iraniana indica que o poder e a autoridade do líder supremo superam os do presidente. A complexa estrutura da República Islâmica do Irã não permite que o presidente sozinho impulsione uma reforma interna e internacional.

Três semanas depois das eleições, Khamenei se reuniu com funcionários judiciais e ordenou que ajudassem Rouhani.

Este mandato dará ao novo presidente um forte estímulo para cumprir suas promessas eleitorais.

A vitória de Rouhani é descrita como uma aliança entre moderados e reformistas do Irã. Os reformistas se definem com aqueles líderes políticos que buscam uma mudança significativa no sistema político. Os moderados, por sua vez, são os que se centram mais em apoiar a fortaleza econômica do país.

Os líderes políticos, o ex-presidente moderado Akbar Hashemi Rafsanyani (1989-1997) e o ex-presidente reformista Mohammad Khatami (1997-2005) tiveram em conta a mensagem da população ao criarem uma coalizão para apoiar Rouhani.

Até agora, a sabedoria desta aliança se mostrou efetiva, ao conseguir a vitória de Rouhani. O presidente eleito está forjando um governo que inclua tanto reformistas (do gabinete de Khatami) quando moderados (da equipe de Rafsanyani).

A derrota de reformistas e moderados nas eleições de 2005 ensinou ambos a reverem seu enfoque e a refletirem sobre suas fraquezas nos últimos oito anos.

Rouhani aprendeu com os reformistas que deve evitar o radicalismo, que pode alienar muitos eleitores. E também aprendeu que os moderados perderam sua popularidade, ao esquecer os cidadãos comuns e as famílias de classe média.

Se em seu governo mantiver o equilíbrio moderação-reforma, Rouhani poderá tirar o Irã das crises interna e internacional nas quais está envolvido, e, ao mesmo tempo, abordar as reclamações civis e de direitos humanos como uma importante segunda prioridade.

Washington tem que repensar seu enfoque nesta nova era iraniana. As sanções do Ocidente levaram a oposição e seus jovens a se alinharem atrás do Estado, independente de o apoiarem ou não. Washington tem que aceitar isto e revisar sua política em relação ao Irã.

Precisa ouvir a mensagem e o ponto de vista da oposição, cujo objetivo é reformar moderadamente o país e ao mesmo tempo defender e reconhecer seus interesses nacionais.

Em carta enviada ao presidente Barack Obama, um grupo de ex-funcionários do governo, diplomatas, militares e especialistas em segurança nacional se referiram à eleição de Rouhani com uma grande oportunidade em potencial.

Também pediram urgência a Obama para participar de negociações com o Irã e fazer com que este país se comprometa além da questão nuclear.

Aumentar a pressão negativa e intensificar as sanções, em lugar de conseguir um acordo negociado em matéria nuclear, não beneficiaria nem os Estados Unidos nem o Irã.

O povo iraniano criou uma nova era de moderação-reforma para reconstruir seu país. E o mundo deve ouvir sua mensagem. Envolverde/IPS

* Sahar Namazikhah é jornalista iraniana radicada em Washington. Foi editora de vários jornais em Teerã e atualmente é diretora de Programas sobre o Irã no Centro para a Diplomacia e a Resolução de Conflitos, da Universidade George Mason. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. to Create National Plan on Responsible Business Practices
 Militarising the Ebola Crisis
 Iraq Looking for an ‘Independent’ Sunni Defense Minister
 Zero Nuclear Weapons: A Never-Ending Journey Ahead
 Championing Ocean Conservation Or Paying Lip Service to the Seas?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Iraq busca un ministro suní “independiente” contra el EI
 Panamá, un país y un canal con dos velocidades de desarrollo
 Ãfrica tendrá una presencia mínima en negociaciones climáticas
 Los pobres se marchitan bajo el sol abrasador de Sri Lanka
 La militarización de la epidemia del ébola
MÁS >>