África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

O Caribe debate reclamação à Europa por escravidão
Peter Richards

Puerto Espanha, Trinidad e Tobago, 1/8/2013, (IPS) - À véspera das celebrações pelo Dia da Emancipação, os Estados do Caribe discutem novamente a possibilidade de reclamar da Europa reparações pela escravidão.


Crédito: V.C.Vulto/GNU license
Choças para escravos criadas por colonialistas holandeses em Bonaire, perto das minas de sal.
O primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, que publicamente prometeu "não dar trégua" a esse assunto, disse à IPS: "Do meu ponto de vista, temos um caso muito sólido para levar perante um tribunal adequado".

Na semana passada, ao falar em Cuba por ocasião do 60º aniversário do assalto ao Quartel Moncada, Gonsalves insistiu em exigir dos antigos impérios coloniais europeus reparações pelo genocídio dos indígenas e pela escravidão de africanos. "A principal razão do subdesenvolvimento no Caribe e na América Latina é o legado do genocídio nativo e da escravidão africana", afirmou.

Na cúpula da Comunidade do Caribe (Caricom) em Puerto Espanha, no começo de julho, Gonsalves apresentou aos líderes da região três documentos com informação histórica e legal avalizando a reclamação de reparação, incluindo um elaborado pela professora Hillary Beckles, vice-reitora da Universidade das Índias Ocidentais. Beckles é autora do livro Britain's Black Debt: Reparations Owed the Caribbean for Slavery and Indigenous Genocided (A Dívida Negra da Grã-Bretanha: as Reparações Devidas ao Caribe pela Escravidão e pelo Genocídio Indígena).

Gonsalves comemorou a decisão da Caricom de criar um novo comitê dedicado ao tema, que será presidido pelo primeiro-ministro de Barbados, Freundel Stuart. Este órgão, que supervisionará o trabalho da Comissão de Reparações da Caricom, estará formado por representantes de Guiana, Haiti, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago, pelos presidentes dos respectivos comitês nacionais de reparação e um delegado da Universidade das Índias Ocidentais.

Kafra Kambon, presidente do Comitê de Apoio à Emancipação em Trinidad e Tobago, disse à IPS que é importante que as organizações não governamentais e a população do Caribe em geral apoiem as iniciativas dos governos da região. Kambon, cujo grupo organiza as atividades anuais do Dia da Emancipação, observou que esse apoio é necessário já que "os governos europeus tentarão pressionar os líderes caribenhos para que abandonem a ideia" de pedir uma compensação.

"Temos que dar força a essa reclamação de reparações", ressaltou Kambon à IPS, e qualificou o tráfico de escravos como "crime em massa que vai além da imaginação humana. As pessoas sofreram danos psicológicos. Saímos da escravidão sofrendo extremo trauma", afirmou. No Suriname, o Comitê Nacional de Reparações procura conseguir um consenso nacional a respeito, divulgando informação detalhada dos acontecimentos históricos.

"Vamos trazer à luz a informação sobre a escravidão e o genocídio de nossos primeiros habitantes", disse o presidente do órgão, Armand Zunder. "Pensávamos que lutaríamos sozinhos, mas agora sabemos que temos pleno apoio. Fizemos grandes avanços", destacou Zunder, que no começo deste mês apresentou na Holanda o primeiro pedido de reparações aos descendentes de escravos no Suriname, citou investigações apontando que a riqueza obtida pela Holanda do Suriname durante a escravidão chegou a US$ 165,7 bilhões.

Por outro lado, a Coalizão para Reparações Pan-Africanas na Europa (Parcoe) enviou uma longa carta aos líderes do Caribe apontando que seu "enfoque verticalista", sem contemplar a sociedade civil, poderia "acabar frustrando as aspirações de compensação das massas de descendentes africanos e cidadãos indígenas" da região.

Os vice-presidentes da Parcoe, Esther Stanford-Xosei e Kofi Mawuli Klu, escreveram que o Caribe deve evitar "os mesmos erros cometidos pelo Grupo de Pessoas Eminentes da antiga Organização Pan-Africana, de não realizar uma efetiva consulta sobre estratégias de reparação, informar-se e atuar pelos melhores interesses dos diversos países africanos".

Na carta citaram o trabalho da ativista e professora de leis norte-americana Mari Matsuda, para quem as reclamações de reparações devem incluir a sociedade civil, em um enfoque "de baixo para cima". Com "de baixo para cima" Matsuda se refere à experiência viva daqueles indivíduos e grupos que denunciam a violação de direitos, em lugar daqueles que tradicionalmente definem o alcance das reparações legais, como juízes, associações de advogados e outros grupos que são parte do status quo social, legal e econômico", ressaltaram. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Violations of International Law Degenerate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
 Despite Current Debate, Police Militarisation Goes Beyond U.S. Borders
 Does Iceland Gain From Whaling?
 Protecting America’s Underwater Serengeti
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ilegales bombas de barril arrasan lo que queda de Alepo
 Caribe insular esperanzado con cumbre climática de Samoa
 La militarización policial de EEUU tiene tentáculos en América Latina
 Estadounidenses apoyan a Obama en intervención militar en Iraq
 Â¿Quién recuenta los votos en Afganistán?
MÁS >>