África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Líderes opositores iranianos esperam que a liberdade chegue com Rouhani
Alireza Nader*

Washington, Estados Unidos, 5/8/2013, (IPS) - Hassan Rouhani assumiu ontem como novo presidente do Irã, despertando esperanças de um avanço diplomático na crise nuclear e também na definição do destino de três figuras muito importantes da oposição.

Não surpreenderia se Rouhani tentasse negociar o fim das sanções internacionais, que causam enorme dano à economia nacional.

Contudo, há outra importante fonte de instabilidade para o regime iraniano, que se costuma esquecer no Ocidente, que são as profundas divisões causadas pelas eleições presidenciais de 2009 e a posterior prisão de três influentes líderes reformistas: Mehdi Karroubi e o casal Mir Hussein Mousavi e Zahra Rahnavard.

A campanha de Rouhani se centrou não apenas em melhorar a situação econômica do país, mas também em atenuar o clima "securitizado" no país, e conseguir a libertação de Karroubi, Mousavi e Rahnavard, que segundo boatos que circulam em Teerã seria iminente. Do ponto de vista do líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, a libertação condicional de Mousavi e Karroubi poderia começar por sanar as feridas internas no Irã.

Porém, a libertação de um grupo rotulado como "sedicioso" pelo governo também poderia ser muito perigosa. Poderia se considerar que Khamenei admite um erro, o que poderia intensificar as batalhas entre facções dentro do sistema. A resolução da crise nuclear não depende só das relações entre Estados Unidos e Irã, mas também de outros fatores que incluem o destino de três prisioneiros iranianos.

Em sua campanha, Rouhani apelou a três eleitorados diferentes: os conservadores governantes, os reformistas e o resto da cidadania. Político hábil e calculista, se acertou para ganhar as eleições sem alterar o equilíbrio político no Irã. Rouhani é partidário de um regime conservador, embora de um estilo diferente ao de seu predecessor, Mahmoud Ahmadinejad. Acredita no sistema de governo religioso do Irã, mas não em "exportar" a religião. Para ele, a República Islâmica deveria se fortalecer no âmbito interno antes de se lançar a aventuras no exterior.

Javad Zarif, provável futuro ministro das Relações Exteriores, é bem ilustrativo neste sentido. Experiente diplomata, em 2002 ajudou os Estados Unidos a estabelecerem um governo pós-Talibã no Afeganistão. Provavelmente, tente reparar as relações do Irã com o resto do mundo, o que, talvez, inclua os Estados Unidos.

A dedicação de Rouhani às reformas promovidas por Mousavi, Karroubi e Rahnavard é incerta. Ele gostaria de reduzir a repressão no país e tornar a população mais "próspera". Mas, isto não se traduz na crença em reformas fundamentais. O mais provável é que Rouhani queira ver ressurgir o Irã anterior a 2009, no qual esquerda e conservadores da República Islâmica coexistiam e trabalhavam juntos para manter a teocracia revolucionária.

Entretanto, os ultraconservadores dentro do sistema político do Irã se assustam com suas intenções. Embora o rotulem como um revolucionário de "princípios", o alertaram a não incluir figuras "sediciosas" em seu governo. Isto pode incluir funcionários favoráveis ao ex-presidente Mohammad Khatami, pesadelo dos ultraconservadores.

O jornal Kayhan, durante muito tempo considerado porta-voz dos conservadores do Irã, é particularmente duro com os reformistas e não tão sutil em suas advertências a Rouhani. Outros conservadores, como o chefe do Poder Judiciário, Sadegh Larijani, também advertiram que as "cobras" reformistas estão "levantando suas cabeças novamente".

Parece que o futuro gabinete ministerial incluirá principalmente tecnocratas e conservadores moderados. Reformistas influentes como Khatami provavelmente desempenharão um papel nos bastidores, assessorando o novo presidente. Mas, o que acontecerá com Mousavi, Rahnavard e Karroubi? O casal Mousavi-Rahnavard continua em prisão domiciliar. Informes vindos do Irã indicam que sua situação (quase não têm contato com o mundo exterior) lhes causa sérios problemas de saúde. Sobre Karroubi informa-se que está preso em uma casa do Ministério de Inteligência, e também que sofre de várias doenças.

A morte de qualquer um deles poderia ser um duro golpe ao equilíbrio político no Irã, e à reputação de Rouhani. Ele prometeu obter sua libertação. Seu governo agirá de acordo? Rouhani não comanda o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica. É provável que ele, e seu chefe, Khamenei, desempenhem o papel mais importante na hora de determinar os destinos de Mousavi, Karroubi e Rahnavard. Até agora, o trio está detido sem julgamento.

É interessante que o site Basirat, vinculado à Guarda Revolucionária, tenha declarado que "se a lei for seguida, um tribunal competente deve investigar os crimes destes indivíduos". Esta é uma das poucas vezes em que o regime fala tão abertamente em julgar o trio reformista, já que temem que um julgamento dê a eles a oportunidade de desafiarem publicamente Khamenei.

É possível que se esteja considerando julgar os três líderes da oposição? Então, em si mesmo, não seria admitir uma derrota, já que não poderia cimentar o caminho para um acordo entre os setores em pugna. Como Khamenei declarou reiteradamente, a unidade nacional é essencial para tratar com os inimigos externos do Irã. Conhecido por estender pontes no Irã, Rouhani pode, teoricamente, assentar as bases para a unidade nacional enquanto tenta negociar o programa nuclear.

No entanto, a ponte na qual se encontra é pouco firme. Ele e seus partidários deverão fazer muitos esforços para guiar o regime para a estabilidade. Os avanços em matéria de negociações nucleares e o fim das sanções pode ajudar. As sanções mais recentes do Congresso dos Estados Unidos contra o Irã tornarão mais difícil o trabalho de Rouhani e darão poder aos ultraconservadores. E, qualquer medida interna ou externa que os ultraconservadores considerarem ameaçadora, poderá colocar em risco a presidência de Rouhani.

Isto não só renovará as disputas dentro do próprio regime como também causará o colapso das negociações nucleares. Quanto às negociações, costuma-se dizer que são necessárias duas pessoas para dançar: Estados Unidos e Irã. Porém, na realidade, a dança de Rouhani tem muitos participantes, alguns mais interessados em si mesmos e mais traiçoeiros que outros. O gabinete que Rouhani designar será um importante indicador de suas intenções. E o destino de Karroubi, Mousavi e Rahnavard pode ser o mais importante de todos. Envolverde/IPS

* Alireza Nader é analista de políticas internacionais na não governamental e apartidária Corporação Rand. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Terrorismo en Nigeria pasa de los machetes a los lanzacohetes
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
MÁS >>