África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Bálcãs alimentam a batalha da Síria
Vesna Peric Zimonjic

Belgrado, Sérvia, 6/8/2013, (IPS) - Este Ramadã, mês sagrado muçulmano, marca uma diferença para algumas famílias dos Bálcãs.


Crédito: Karlos Zurutuza/IPS
Homem caminha perto do posto de controle policial em Gundik Shalal, no nordeste da Síria. Acredita-se que mais de 300 muçulmanos dos Bálcãs combatem nesse país.
É a primeira vez que o passam sem seus filhos, maridos ou irmãos, que morreram longe de casa, combatendo na Síria.

Muaz Sabic, de 41 anos, morreu perto da cidade síria de Aleppo há dois meses. Sua família, que vive na pequena aldeia de Puhovac, perto da localidade bósnia de Zenica, ficou sabendo há pouco tempo.

Pelo que sabem, Muaz integrava uma unidade de jovens muçulmanos de diferentes países que entraram na Síria para combater o regime do presidente Bashar al Assad. "Foi sua escolha", disse Ilijas Sabic, irmão de Muaz, em conversa por telefone com a IPS. "Ele era agricultor, vivia na aldeia com nossa mãe e elaborava mel. Não quero falar mais dele... se abusou de tudo o que disse alguma vez aos jornalistas", acrescentou. Em entrevistas anteriores a veículos de comunicação bósnios, Ilijas disse que seu irmão partira de Sarajevo para Istambul em março. Muaz viajou com dois homens jovens, de Zenica e a vizinha Kakanj.

Segundo os informes locais, Muaz é um dos 52 bósnios muçulmanos salafistas que foram para a Síria. Os voluntários da Bósnia-Herzegovina se reuniram na localidade turca de Antióquia e cruzaram ilegalmente a fronteira para a Síria, na passagem de Bab el Hawa. Acredita-se que há mais de 300 muçulmanos dos Bálcãs combatendo na Síria, procedentes de Albânia, Bósnia-Herzegovina, Montenegro e Sérvia. Os voluntários voltarão a se reunir na localidade síria de Sarmada, onde são treinados para unirem-se ao Exército Livre Sírio.

A maioria deles integra a unidade Al-Nusra, rotulada por Estados Unidos, Organização das Nações Unidas (ONU) e Grã-Bretanha como organização terrorista vinculada à rede Al Qaeda. Os combatentes são salafistas. O salafismo é um movimento dentro do Islã sunita que exige um regresso aos valores originais da fé. Aspira despojar a vida muçulmana moderna de toda influência de modelos e princípios ocidentais. Os bósnios muçulmanos são sunitas. Muitos reinventaram sua religião depois da guerra de 1992-1995, na qual morreram mais de cem mil pessoas, na maioria muçulmanas. Este retorno ao Islã contou com o forte apoio de organizações humanitárias de países árabes, particularmente da Arábia Saudita, onde predomina o wahhabismo, estreitamente vinculado ao salafismo.

Segundo um ex-alto funcionário da Agência Estatal de Investigação e Proteção (Sipa) da Bósnia-Herzegovina, Bajro Ikanovic, de 37 anos, está entre os que levaram bósnios muçulmanos à Síria. Em 2007, um tribunal de Sarajevo o condenou a oito anos de prisão por acusações de terrorismo. Descobriu-se que sua casa em Hadzici, perto de Sarajevo, era um depósito de explosivos. Durante seu julgamento, extremistas muçulmanos de aspecto caucasiano envolvidos em práticas terroristas foram apelidados de "a Al Qaeda branca". Ikanovic foi libertado depois de quatro anos e começou a organizar voluntários para lutar na Síria.

Em entrevista ao site religioso www.putvjernika.com, Ikanovic disse: "A diferença entre nós e outros revolucionários é que estamos firmemente convencidos de ser correto o Islã como única via real e única maneira de a humanidade voltar à normalidade. Não me importa em nada em que se convertem meus filhos; nos os deixamos à lei de Alá e estaremos orgulhosos de nossas obras e de nossas vidas tal como as vivemos".

Muaz Sabic não foi a única vítima dos Bálcãs na Síria. Dois jovens da localidade Sérvia de Novi Pazar morreram em maio em solo sírio. Suas mortes foram elogiadas no site local www.sandzakhaber.net. Conhecidos por seus nomes de guerra Abu Bera e Abu Merdia, Eldar Kundakovic e Adis Salihovic morreram no esforço para libertar presos da prisão de Al-Safira, perto de Aleppo.

"A guerra na Bósnia-Hezegovina abriu as portas para a reinvenção do Islã; combatentes da jihad que chegaram aqui para lutar junto com seus irmãos muçulmanos contra os sérvios ou croatas trouxeram sua ideologia, seus costumes e entusiasmo. Para alguns jovens isso foi uma revelação, uma espécie de elo perdido que se revelava. Porém, nunca houve suficiente evidência de que isto levasse a uma escala maciça", disse à IPS o funcionário da Sipa.

No entanto, alguns habitantes de Sarajevo veem a mudança mais fundamental. "Não é nenhum segredo que se paga para as pessoas irem lutar na Síria e em outras fontes", disse à IPS um morador local. "As mesquitas são lugares onde as pessoas se reúnem mais do que antes. Ouvem os imãs pedindo solidariedade, explicando os sofrimentos de outros muçulmanos na Síria e em todo o mundo. Para quem quase não ganha dinheiro, já que o desemprego chega a quase 45% aqui, é uma oportunidade de conseguir algo", acrescentou. A renda mensal para os jihadistas paga por meio de organizações disfarçadas de "agências humanitárias" pode ser de US$ 600. "Isso não é muito nestas circunstâncias?", perguntou o morador. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Rousseff dos y el gran desafío: conjurar la “maldición” económica
 La pobreza infantil española desde los ojos de Encarni
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
MÁS >>