África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

DESTAQUES
Nova York reaproveitará até casca de batata
Kim-Jenna Jurriaans

NOVA YORK, Estados Unidos, 5 de agosto de 2013, (IPS) - (Tierramérica).- O novo esquema de coleta e compostagem de lixo orgânico de Nova York está concebido para ser obrigatório, e reduzir drasticamente o lixo e o que se gasta com ele.


Crédito: Kim-Jenna Jurriaans/IPS
Assim são os recipientes de restos de comida para compostagem em Nova York.
Pergunte a um nova-iorquino por que sua cidade é famosa. A compostagem tem tão poucas possibilidades de aparecer entre as respostas quanto as casas baratas ou os invernos temperados. Mas, se depender do prefeito, Michael Bloomberg, isto logo mudará.

Bloomberg, que terminará seu mandato no final deste ano, anunciou em junho que o Departamento de Saneamento da cidade começou a coletar dejetos orgânicos em comunidades-piloto de toda Nova York, e planeja ampliar drasticamente a quantidade de lares participantes nos próximos dois anos. O objetivo final é que, até 2016, seja obrigatório que todas as casas recolham seu lixo orgânico para aproveitá-lo como compostagem, fertilizante obtido pela decomposição, ou como fonte de energia limpa.

A iniciativa faz parte do plano de Bloomberg de reduzir em 75% o lixo urbano que chega aos lixões até 2030 e diminuir as emissões de gases-estufa da cidade, para as quais o lixo contribui com cerca de 3%. No momento, Nova York se desfaz de boa parte de seu lixo sólido, mais de 14 milhões de toneladas anuais, em lixões situados em outros Estados, como a Pennsylvania, Carolina do Sul e Ohio, pagando US$ 86 por tonelada, fora o transporte.

Se os moradores dos quase três milhões de unidades habitacionais da cidade separarem a matéria orgânica do resto do lixo, a prefeitura espera reduzir em 1,2 milhão de toneladas o lixo dos aterros sanitários. Esta medida poderia permitir uma economia de até US$ 100 milhões ao ano, pouco menos de um terço do dinheiro gasto para coletar e eliminar o lixo domiciliar, segundo o Departamento de Saneamento.

A fase de teste inclui, até agora, dois arranha-céus de Manhattan, algumas poucas comunidades do Brooklyn e de Staten Island, e mais de cem restaurantes e escolas públicas de toda a cidade. Mas o Departamento de Saneamento se prepara para incluir 150 mil casas de família, 70 edifícios e 600 escolas em 2014. Pouco mais de um quarto do lixo nova-iorquino é composto por lixo residencial. As empresas produzem aproximadamente outro um quarto, e 70% deste procedem dos restaurantes, por isso incluir o setor é uma parte importante do plano de compostagem.

Os restaurantes com consciência ecológica, que já pagam uma coleta especial de lixo alimentar, provavelmente deem as boas-vindas a um plano de toda a cidade que os inclua. Para outros, com cozinhas pequenas, agregar um recipiente adicional para o lixo pode ser impossível, como mostra um informe sobre restaurantes divulgado em 20 de junho pelo jornal The New York Times.

Além de aliviar a carga ambiental e as despesas da cidade, há outros benefícios na coleta seletiva, segundo Ron Gonen, subcomissário de Saneamento da cidade. "Há dois destinos principais para os resíduos orgânicos", disse Gonen ao Terramérica. "Podem ser transformados em compostagem, fertilizante orgânico que já é elaborado em uma unidade em Nova York, e é doado para parques e hortas locais, ou vendido para empresas de jardinagem.

Esses resíduos também podem ser transformados em energia renovável mediante decomposição anaeróbica (ausência de oxigênio)", acrescentou. O resultado é um biogás rico em metano. Nova York já tem um digestor anaeróbico em uma de suas unidades de tratamento de esgoto, e se estuda uma licitação para a construção de uma grande central, que possa converter boa parte do resíduo doméstico em gás ou eletricidade limpa.

"Também há algumas tecnologias emergentes interessantes", observou Gonen, citando, como exemplo, que "se pode transformar o lixo em um combustível limpo conhecido como éter dimetílico (substituto do óleo combustível), por isso não é impensável que no futuro próximo possamos movimentar nossos caminhões de lixo a partir dos próprios resíduos que coletamos".

Mudança de atitude

Wexterleigh, um bairro de 3.500 habitantes no distrito nova-iorquino de Staten Island, é uma das comunidades-piloto da política de compostagem. Embora a participação esteja na casa dos 50%, as respostas dos moradores são variadas. Rosemary Caccese, que já elabora compostagem em seu próprio quintal mesmo antes do plano de Bloomberg, vê a medida com bons olhos. "Já faço o meu cada semana", disse ao Terramérica, apontando seu novo contêiner marrom, que é recolhido a cada sete dias.

"Dá trabalho, não é fácil", acrescentou, mas, como se importa com o meio ambiente, está disposta a pagar o preço. Porém, sua aplicação em toda a cidade pode ser complicada, principalmente para a população idosa, afirmou. Na calçada em frente, Donald Carullo acredita que o fato de ele e sua mulher serem idosos é precisamente o que lhes permite participar da iniciativa. Seu filho, pai de três crianças, perderia muito tempo, ponderou ao Terramérica.

Na avenida Burnside, Loise Conti, que se autodefine como "verde" e detalha com orgulho uma longa lista de medidas amigáveis com o meio ambiente que aplica em sua casa, é cética sobre o plano, por razões práticas e de projeto. "Minha amiga tem cinco filhos, e precisará mais do que isto", disse apontando para o novo móvel de sua cozinha: um recipiente oval com capacidade para 4,4 litros, um dos modelos entregues pela prefeitura nas casas. Para uma casa pequena como a sua, o esforço quase não vale a pena. E, no quente verão nova-iorquino, "começa a cheirar mal", lembrou.

A mudança de atitude é uma boa parte do desafio que a cidade terá que superar nos próximos meses. A ênfase na economia que terão os cofres públicos e os contribuintes é essencial para promover esta política, ressaltou Gonen. Entretanto, no momento a medida é voluntária, e no futuro será obrigatória e com multa para quem não cumpri-la.

Alexander Allen, que conversou com o Terramérica em um dos poucos lugares - algumas dezenas - onde se pode deixar lixo para compostagem na cidade, acredita que a iniciativa tem muito sentido ambiental. Contudo, não está certo de que funcione como obrigatória, pois as multas não bastam para mudar mentalidades. "Definitivamente, estará nas mãos da população", resumiu.

Nova York segue os passos de outras cidades dos Estados Unidos, como São Francisco e Seattle, que implantaram iniciativas semelhantes. Mas também está inovando. "Não há nenhuma cidade na América do Norte, e talvez nem mesmo na Europa, onde o manejo do lixo seja tão complicado como em Nova York", pontuou Gonen. "Temos um ambiente antigo de construções, e somos multiculturais", acrescentou.

Isto também é uma oportunidade para que a Grande Maçã sirva de exemplo para outras cidades do planeta. "Não há outra grande cidade que possa ver os êxitos de Nova York e dizer nós não poderíamos fazer isso, temos um sistema mais complicado", afirmou Gonen. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Mujeres afrontan desafíos ambientales con ingenio en India
 Cuba exporta carbón vegetal de plantas invasoras
 Lucha por el sucesor de Mugabe frena el desarrollo en Zimbabwe
 La agroecología es la solución al hambre y al cambio climático
 La lucha contra la desnutrición se democratiza
MÁS >>