África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Cuba, um país com o coração partido
Leonardo Padura*

Havana, Cuba, agosto/2013, (IPS) - Para os cubanos, o beisebol não é um esporte e muito menos um jogo: é quase uma religião, algo definitivamente muito sério.


Esta prática competitiva, nascida nos Estados Unidos, chegou à ilha na metade do século 19, trazida por jovens cujas famílias os enviavam para estudar nas cidades do norte do país.

Apenas surgido nas costas cubanas, o então baseball começou um processo de enraizamento que chegaria a convertê-lo em um dos sinais da identidade cubana.

Naqueles tempos originários, "o jogo de bola", segundo se qualificaria no país, teve uma importância crucial em diversos territórios da espiritualidade nacional: como atividade social contestatória, pois trazia consigo os desejos de progresso (o moderno norte-americano em oposição ao atrasado espanhol, a metrópole colonial), e como manifestação de unidade nacional, pois muito rapidamente era praticado em toda a ilha.

Também foi veículo para a aproximação entre as classes sociais e grupos étnicos (pois os negros e camponeses logo também se apaixonaram pelo jogo); e como espetáculo, no qual confluíam o esportivo e o cultural, graças à animação por parte de orquestras de danças (o baile nacional cubano), os desenhos de seus uniformes, bandeirinhas e elementos gráficos de cunho modernista, e toda a literatura artística e jornalística que se concretizou na existência de uma longa dezena de publicações dedicadas a promovê-lo e comentá-lo.

Para os cubanos, o beisebol é o esporte mais praticado, mais amado, o que mais mitos criou e o que mais peso social carrega. É um símbolo e, em consonância com essa qualidade, sempre teve um papel mais que esportivo nas relações sociais e políticas do país.

O beisebol, para Cuba ou para os Estados Unidos, é o que o futebol representa para Espanha, Itália, Brasil...

Nos últimos anos o beisebol também tem sido (como não poderia deixar de ser) um campo de batalha no qual se desdobraram alguns dos mais álgidos conflitos políticos, sociais e econômicos que hoje atravessam a sociedade cubana.

O fato de várias dezenas de jogadores cubanos, assumindo o risco de a retórica oficial os qualificar de "desertores" ou "traidores", terem decidido deixar de jogar na ilha para tentar a fortuna no exterior (especialmente no sistema das Grandes Ligas norte-americanas, o mais competitivo e economicamente poderoso), provocou dramáticas comoções na sociedade e no esporte cubanos, aferrados aos modelos e às políticas do amadorismo patenteado nos países socialistas.

O fato de estes jogadores saírem do país tem três consequências fundamentais.

Uma esportiva: a sangria sofrida pelas equipes regionais e nacionais, pois a um "desertor" é proibido imediatamente a possibilidade de voltar a representar seu clube ou o país em qualquer evento oficial.

Outra econômica: enquanto os que permanecem na ilha ganham salário de "amador", os que navegam com sorte no exterior podem chegar a assinar contratos de vários (muitos) milhões de dólares, e os que navegam com pouca sorte, pelo menos de várias centenas de milhares anuais.

E uma política: o governo cubano, sem modificar no essencial sua política para o esporte, começando a permitir a contratação de jogadores de beisebol em campeonatos profissionais estrangeiros (mas não nos das Grandes Ligas)...

A tensa relação que o peso da política deposita sobre o beisebol permite a esta prática esportiva expressar de maneira quantitativa a distância existente entre os cubanos que vivem na ilha e os que partiram em busca de outras possibilidades.

Mas seu enorme peso específico na espiritualidade e sociedade cubanas converte este esporte, junto com as manifestações culturais, em uma das facetas da vida em que qualquer solução de aproximação e comunicação pode ganhar conotações especiais, capazes de incidir em todas as ordens, inclusive a política. Porque, já disse isso, para os cubanos o beisebol é muito mais que um jogo.

Recentemente, um empresário cubano radicado em Miami teve a ousada ideia de realizar no Estado da Flórida duas ou três partidas de beisebol entre jogadores aposentados do clube mais emblemático de Cuba nos últimos 50 anos, o Industriales de La Habana.

O ponto principal da ideia estava no fato de que se enfrentassem do outro lado do estreito e que os protagonistas do ato fossem ex-esportistas tanto radicados na ilha quando fora dela, ou seja, os até agora chamados desertores.

O primeiro passo do processo seria obter aprovação das autoridades cubanas para que esses jogadores participassem dos desafios contra seus ex-companheiros e, sem que houvesse nenhum tipo de afirmação oficial, soube-se que a permissão foi concedida, como não poderia deixar de ocorrer segundo a letra das novas leis migratórias aprovadas no começo de 2013. Mas, tudo em silêncio, como se não estivesse acontecendo.

O segundo passo seria do outro lado do estreito. Os cubanos do exílio aceitariam a presença dos cubanos de Cuba na realização de um ato público e, possivelmente, com grande multidão?

Desde o princípio os ex-jogadores radicados fora do país mostraram sua disposição em participar desses encontros com seus colegas da ilha, para alegria da maioria dos exilados cubanos, desejosos de voltarem a ver seus velhos ídolos.

Mas um setor minoritário, embora potente desse exílio, se opôs ao projeto, e entre suas razões diziam que dois dos ex-jogadores convidados haviam agredido, há cerca de 25 anos, um cubano radicado em Miami que invadira o campo de jogo, no Canadá, carregando um cartaz de cunho político...

A partir deste incidente, começou o calvário que os promotores desta atividade (de enorme contexto social e humano) tiveram que atravessar, além de receberem ameaças de todo tipo, e tiveram que vagar pela cidade de Miami buscando um campo para receber as partidas planejadas. Mas o promotor garante que acontecerão, "ainda que seja em um canavial".

Não ter capacidade para ver o que social e politicamente significa para Cuba e seu futuro que os jogadores emigrados e os que permaneceram no país se confraternizem em um campo de beisebol é uma atitude de uma enorme cegueira. Mas, creio, constitui, antes de tudo, a expressão de uma fratura da alma nacional cubana tão profunda, tão carregada de ressentimento, que nem mesmo por meio de algo tão sagrado como o beisebol será fácil remediar.

Muitos anos de enquistamento, ódios, necessidade de revanche, insultos e vexames (os de lá vermes, apátridas, traidores; os de cá comunistas, repressores, cúmplices do castrismo, etc.), foram se acumulando e ainda turvam o presente e o futuro das diversas partes em que se partiu o coração desta ilha do Caribe. Envolverde/IPS

* Leonardo Padura é escritor e jornalista cubano, ganhador do Prêmio Nacional de Literatura 2012. Suas novelas foram traduzidas para mais de 15 idiomas e sua obra mais recente, El Hombre Que Amaba a Los Perros, tem como personagens centrais Leon Trotski e seu assassino, Ramón Mercader. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
 Al Bagdadi y la guerra sin cuartel en nombre del califato
 Costo y oportunidad del petróleo no convencional en Argentina
 Indígenas panameños quieren aprovechar mejor sus bosques
 Historia de documento de la AIEA sugiere falsificación de Israel
MÁS >>