África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Graxa democrática para botas militares egípcias
Cam McGrath

Cairo, Egito, 8/8/2013, (IPS) - O chefe do Conselho Supremo das Forças Armadas do Egito, general Abdel Fatah El-Sissi, se esforça para dar um verniz democrático à decisão castrense de derrubar em julho o presidente Mohammad Morsi.


Crédito: Khaled Moussa al-Omrani/IPS
A morte de membros da Irmandade Muçulmana só fortaleceu a decisão do movimento de continuar lutando.
Nas semanas posteriores à destituição de Morsi, el-Sissi, de 58 anos, insistiu que a intervenção militar foi necessária para resolver a crise política e para "salvar a democracia".

A popularidade de Morsi caiu em queda livre um ano após sua vitória eleitoral. O líder islâmico ignorou reclamações de reconciliação nacional e fez vista gorda para manifestações maciças pedindo eleições antecipadas. Os militares argumentam que isto não lhes deixou outra opção que não removê-lo do cargo.

Desde a derrubada, no dia 3 de julho, El-Sissi suspendeu a Constituição e instalou um governo civil interino, que lançou uma campanha de represálias políticas contra o ex-presidente e seus aliados na Irmandade Muçulmana. Dezenas de líderes islâmicos foram presos e acusados de vários crimes, como incitar à violência, vandalismo e "insultar o sistema judicial".

Morsi está virtualmente incomunicável por ação do exército desde que foi derrubado. Promotores o acusaram de assassinato e espionagem em relação a uma fuga de presos em 2011, acusações que, alguns investigadores de direitos humanos afirmam, têm apenas motivos políticos. "Os militares começaram a desacreditar e destruir a Irmandade Muçulmana utilizando todos os meios necessários", disse o advogado de direitos humanos Negad El-Borai.

O governo tirou do ar vários canais de televisão simpatizantes da Irmandade Muçulmana, enquanto advertiu vários meios de comunicação estrangeiros sobre não "desinformar" e os impediu de cobrir várias manifestações a favor de Morsi. Enquanto isso, jornais e televisões estatais, que elogiavam Hosni Mubarak durante seu regime de 30 anos (1981-2011), agora adulam as forças armadas. Muitos veículos particulares também se uniram ao coro.

El-Sissi dedicou grande parte do mês passado a tentar reunir apoio público e legitimar o papel do Conselho Supremo como árbitro final da democracia egípcia. Os mais firmes partidários do general - liberais e seculares que se opõem ardentemente à Irmandade Muçulmana - dizem que os militares "tiveram que destruir a democracia para salvá-la". Porém, muitos criticam a nova incursão militar na política do Egito.

Os militares impediram "todo esforço de último minuto que teria mantido as aparências e preparado o caminho para uma mudança construtiva, como realizar um referendo sobre a Presidência ou formar um governo de unidade, buscando eleições antecipadas", escreveu o analista político Marwan Bishara. Os militares prometeram pôr fim às divisões e assegurar a estabilidade. Contudo, empurraram o principal movimento do país, a Irmandade Muçulmana, para fora do cenário político e parecem estar polarizando a população.

Na semana passada, El-Sisis exortou os egípcios a apoiarem o governo de transição frente à oposição da Irmandade Muçulmana. "Peço a vocês que me deem um mandato para poder deter a violência e o potencial terrorismo", disse em um discurso transmitido pela televisão para todo o país. Dias depois, pelo menos 80 partidários de Morsi morreram e centenas ficaram feridas durante a repressão a uma manifestação no Cairo. Foi a segunda ação violenta contra simpatizantes da Irmandade Muçulmana desde a derrubada do presidente.

No entanto, a violência só fortaleceu o movimento islâmico. Membros da Irmandade Muçulmana prometem continuar com os protestos até a dissolução do governo interino e o retorno de Morsi ao poder. Porém, os militares não dão sinais de voltarem atrás. E redobram a pressão contra os partidários de Morsi, multiplicam as prisões e endurecem a repressão, inclusive contra manifestantes pacíficos. Analistas dizem que a ameaça do "terrorismo" é usada como pretexto para restaurar polêmicas práticas e instituições da era Mubarak.

No começo desta semana, o Ministério do Interior anunciou que vários órgãos de segurança que foram desmantelados depois do levante popular de 2011 serão restabelecidos. O governo também disse que pode voltar a adotar a Lei de Emergência, usada por anos para reprimir a oposição política.

Embora o exército goze de propagado apoio, muitos egípcios recordam os abusos contra os direitos humanos e a violenta repressão durante os 18 meses de governo militar após a queda de Mubarak em 2011. Um alto membro da Irmandade Muçulmana alertou: "Estão reprimindo os islâmicos, e uma vez que estejam firmes no poder irão atrás de qualquer um que queira se expressar". Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
 Traducciones que matan
 Terrorismo en Nigeria pasa de los machetes a los lanzacohetes
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
 Salvando el turismo caribeño
MÁS >>