África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Partidos políticos espanhóis desfiliam a transparência
Inés Benítez

Málaga, Espanha, 9/8/2013, (IPS) - O escândalo de corrupção que envolve o governante Partido Popular (PP) da Espanha e o primeiro-ministro, Mariano Rajoy, coloca em xeque o modelo de financiamento das agrupações políticas.


Crédito: Inés Benítez/IPS
As ruas centrais de Málaga sentem a condenação dos espanhóis à corrupção no manejo financeiro do próprio governante Partido Popular.
"Os dirigentes políticos espanhóis gozam da mais absoluta impunidade", disse à IPS o advogado José Cosín, de Málaga, autor do livro Máfia e Corrupção, no qual, já em 2008 - data da publicação -, falava da relação entre a máfia, lavagem de capitais e corrupção política.

Cosín afirmou que hoje na Espanha "há muitos juízes politizados e os tribunais carecem de meios para investigar os partidos". Segundo a Lei Orgânica 8/2007 de Financiamento de Partidos Políticos, estes são associações privadas com "um sistema misto que de um lado recolhe recursos procedentes dos poderes públicos, em proporção à sua representação parlamentar, e, de outro, as contribuições privadas de pessoas fisicas e jurídicas que não contratem com as administrações públicas e não excedam limites razoáveis".

O financiamento ilegal dos partidos políticos não está tipificado como crime pelo Código Penal espanhol, mas como infração administrativa, embora seja crime pagar em troca de favorecer a contratação de serviços públicos. Em 2008, os partidos receberam 299,5 milhões de euros (US$ 398,7 milhões) em subvenções públicas para funcionamento ordinário e eleições, 44,7 milhões de euros (US$ 59,5 milhões) em cotas de filiados e contribuição de simpatizantes, e 6,4 milhões de euros (US$ 8,5 milhões) por doações, segundo o último informe do Tribunal de Contas.

O fato de o Tribunal de Contas, máximo órgão fiscalizador dos estados contábeis das formações políticas, acumular atraso de cinco anos facilita que, havendo casos de financiamento irregular, estes acabem prescritos, já que o prazo para iniciar uma investigação é de quatro anos, com estabelece a Lei Orgânica 5/2012, de 22 de outubro de 2012, que reformou a de 2007.

Rajoy anunciou "um conjunto amplo de medidas para lutar contra a corrupção", como o projeto de lei de transparência, acesso a informação pública e bom governo, "que estará aprovado antes do final do ano", segundo prometeu ao comparecer ao Parlamento, no dia 1º, para falar das acusações que pesam sobre ele e o PP.

Após negar-se e deixar o cargo, como cobra a oposição, Rajoy rechaçou toda ligação com o escândalo desatado por Luis Bárcenas, durante mais de duas décadas gerente e depois tesoureiro do PP, que denunciou uma suposta contabilidade partidária ilegal no manejo do dinheiro procedente de doações de empresários e pagamento extra aos seus dirigentes. Bárcenas, na prisão desde junho, é investigado por fraude, lavagem de dinheiro e evasão fiscal.

O Plano Nacional de Regeneração Democrática, projetado pelo governo do PP, contempla incluir o crime de financiamento ilegal no Código Penal e na reforma da Lei de Ajuizamento Criminal para agilizar os procedimentos que ajuízam essa prática. "Estou convencido de que a modificação de penas, prazos e procedimentos acabará com a sensação de impunidade que tanto irrita a sociedade espanhola", afirmou.

Na Espanha, castigada pelos recentes cortes em razão da crise econômico-financeira e um consequente desemprego que chega a mais de 26% dos ativos, se levantam inúmeras vozes que apontam os partidos como as instituições mais afetadas pela corrupção, com pontuação de 4,4 em uma escala de 5 na última consulta do Barômetro Global da Corrupção 2013, divulgado no dia 9 de julho pela Transparência Internacional.

"A opacidade em relação às contas dos partidos políticos propiciou o surgimento de casos como o de Bárcenas", disse à IPS a porta-voz do novo partido EQUO na cidade de Málaga, Carmen Molina. A ativista entende que não basta a promessa de Rajoy, pois "a cidadania está desencantada porque os políticos não fazem o que dizem, não se consegue avanços nem a adoção de medidas drásticas para acabar com a corrupção". São necessárias reformas mais amplas, que incluam também modificações na lei eleitoral que favorece o bipartidarismo do PP e do opositor Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), em detrimento das formações minoritárias, pontuou Molina.

José Luís Centella, porta-voz do partido A Esquerda Plural na Câmara dos Deputados, defende a instalação de controles rígidos para garantir a transparência e evitar o financiamento irregular, ao mesmo tempo em que acredita que o Tribunal de Contas "tem muitas limitações e conta com poucos meios" para exercer seu trabalho.

Sobre isso, Cosín alertou que hoje "não sabemos com certeza quanto dinheiro se dá aos partidos políticos e a que é dedicado". Em sua opinião, o projeto de lei de transparência, aprovado pelo Conselho de Ministros em 27 de julho de 2012, é "insuficiente" e viola o direito de acesso à informação, porque propõe o silêncio administrativo negativo, isto é, se o órgão consultado não responde, entende-se que indefere a solicitação.

"Deve existir a obrigação de as organizações responderem, porque o direito à informação é fundamental", ressaltou Cosín. Centella afirmou à IPS que A Esquerda Plural defende o financiamento público dos partidos, "limitando ao máximo a capacidade de contribuições privadas" à margem das cotas dos filiados, "onde há maior risco de tráfico de influências".

A lei de financiamento de partidos aprovada em outubro de 2012 estabelece que todas as doações privadas superiores a 50 mil euros (US$ 66 mil) e as de bens imóveis deverão ser notificadas ao Tribunal de Contas em três meses e que, se esses limites e requisitos forem ultrapassados, poderá haver punição com uma quantia equivalente ao dobro da contribuição ilegalmente recebida. Esta norma coloca limite de cem mil euros (US$ 133 mil) para perdão de dívida dos partidos por parte de entidades de crédito.

Centella criticou que, apesar da bancarrota econômica, disparam os gastos em época de eleições e as campanhas de massa parecem perseguir "mais a venda de um produto" do que propor "um debate de ideias, o que leva a custos milionários" que incitam o financiamento ilegal. O Tribunal de Contas publicou que as últimas eleições gerais, de novembro de 2011, significaram um desembolso superior a 62 milhões de euros, dos quais 41,6 milhões corresponderam ao PP e PSOE juntos. Contudo, Centella acredita que os números são maiores e pede "maior pluralidade" para que, por exemplo, os partidos minoritários possam fazer campanha na televisão pública. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 El futuro del planeta y la irresponsabilidad de los gobiernos
 El tiempo se agota para el desarme nuclear
 El traumático exilio de los refugiados sirios en Líbano
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
MÁS >>