África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
Constanza Vieira

Bogotá, Colômbia, 12/8/2013, (IPS) - "Não há desenvolvimento sem paz. Deve-se entender que para um país ter desenvolvimento deve existir um processo interno de paz".


Crédito: Juan Manuel Barrero/IPS
O presidente do Fida, Kanayo Nwanze, entrevistado pela IPS ao término de sua visita ao Peru e à Colômbia, entre os dias 2 e 8 deste mês.
O nigeriano Kanayo Nwanze, presidente do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), é categórico com relação à Colômbia: "Devemos criar uma plataforma de confiança" nas comunidades rurais abandonadas.

O Fida é a única agência da Organização das Nações Unidas (ONU) criada para prestar apoio financeiro a camponeses e pequenos produtores. Trabalha com os governos, mas em iniciativas delineadas de baixo para cima. A população organizada propõe seus próprios projetos de vida e compete para que estes sejam atendidos e consigam financiamento, no caso da Colômbia, por intermédio do Ministério da Agricultura.

O dinheiro é administrado pelas próprias comunidades. Mais de 1.700 projetos de grupos rurais colombianos conseguiram apoio deste modo, embora o programa do Fida Oportunidades Rurais, que tornou isso possível, esteja por terminar, após um ciclo iniciado em 2007. Agora, o Fida lança na Colômbia um novo programa com o Ministério da Agricultura, que atuará em áreas de guerra definidas pelo governo com um conceito polêmico que inclui questões de segurança e de desenvolvimento: as zonas de "consolidação territorial".

"Os pequenos e médios negócios em áreas rurais são uma fonte de estabilidade social para os países", ressaltou Nwanze em entrevista à IPS, em Bogotá, ao concluir sua visita a dois países andinos sul-americanos, Peru e Colômbia, iniciada no dia 2. Nwanze, experiente cientista especializado em desenvolvimento agrícola, se reuniu com os presidentes dos dois países, o peruano Ollanta Humala e seu colega colombiano, Juan Manuel Santos, e também visitou e conversou com camponeses em comunidades rurais.

IPS: O Fida tem ampla experiência em trabalhos em zonas de conflito para promover o desenvolvimento e ajudar a garantir a paz. Como pode ser aplicada na Colômbia?

KANAYO NWANZE: Em muitos lugares da África e Ásia, e a Índia é um exemplo muito bom, descobrimos que, se existe capacidade de organizar as populações rurais, homens, mulheres e crianças, e lhes dar oportunidades de obter um emprego que permita que ganhem a vida, é menos provável que os jovens, em particular, se sintam atraídos pela retórica do extremismo. Acabamos de lançar um novo programa, o Projeto de Construção de Capacidades Rurais: Confiança e Oportunidade (TOP), que leva a iniciativa anterior a uma dimensão diferente e muito maior. Acreditamos que contribuirá de modo significativo para trazer esperança, desenvolvimento econômico e inclusão social a zonas rurais. E esperamos que leve paz e desenvolvimento à Colômbia.

IPS: A maioria dos lugares onde se desenvolverá este projeto é de áreas de guerra. Quais dificuldades isto pode causar?

KN: Posso falar de nossas experiências em outros lugares. Um bom exemplo é o nordeste da Índia, onde executamos projetos de desenvolvimento e manejo comunitário de recursos naturais. O impacto inicial não foi só nesses aspectos, mas gerou tantos benefícios econômicos que os jovens, que antes estavam envolvidos no extremismo, passaram a ter emprego, o que reduziu o alcance da insurgência. O Fida é uma instituição única. Além de ser uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU), o que lhe dá legitimidade mundial e confiança de populações e governos, tem a capacidade de organizar os povos rurais para que adquiram uma plataforma própria e estrutural de governança para operar. É necessário um mecanismo para construir confiança entre as populações em zonas de guerra e os governos. E é isso que o Fida faz de modo fantástico. Confiamos nas comunidades e elas confiam em nós, nos veem como seus amigos. Os governos com os quais trabalhamos, como o da Colômbia, veem que somos apolíticos, que nossos interesses são em favor da população e por uma política de diálogo nacional. Os problemas que as pessoas costumam enfrentar nessas comunidades é a forma como lhes é apresentada uma ideia ou um conceito: é preciso evitar cair de paraquedas e dizer-lhes o que devem fazer. O Fida não é uma instituição vertical, mas de baixo para cima. Caminha junto às comunidades. Elas devem ser parte do projeto, apropriar-se dele. Comprometem-se com ele quando o sentem próprio e querem que tenha sucesso. Se alguém cai de paraquedas é rejeitado. Não há nenhuma outra instituição que eu conheça que vá às áreas mais remotas e inacessíveis dos países. O Fida vai.

IPS: O projeto TOP se harmoniza com as políticas colombianas ou se alinha com elas?

KN: É preciso entender que o Fida só trabalha com os governos e não define o que estes devem fazer. Também trabalha com outros sócios e populações rurais para determinar o programa que querem. Agora, a maior prioridade do presidente Santos é a paz e o desenvolvimento inclusivo. Então, o que fazemos? Dizemos: de acordo. Destinamos US$ 25 milhões. Esta soma não é nada para a Colômbia. Mas o que trazemos é conhecimento e experiência sobre como trabalhar com populações rurais. De modo que somos um facilitador. Portanto, nossos programas se definem segundo a estratégia e as prioridades dos governos junto aos seus povos. Nossos programas não são políticos. No entanto, seus resultados podem ter um impacto político, porque trazem estabilidade política e confiança na comunidade, o que é o embasamento da paz. Na América Latina, no Brasil, Peru ou Guatemala, ou em diferentes países da África ou da Ásia, quando se vai às comunidades, se vê o compromisso e o entusiasmo que têm pelo simples fato de estarem realizando atividades que dignificam e geram dinheiro. Você pensa que desejarão pegar em armas contra o governo? Não. E isso é fundamental.

IPS: Que impressão leva de sua viagem por Peru e Colômbia?

KN: Fiquei assombrado com o que vi nos dois países. No Peru, pelo compromisso do presidente com a agricultura e o desenvolvimento rural. Também me impressionou a ênfase dada nos dois países para a construção da paz mediante investimentos em desenvolvimento. A menos que tenhamos comunidades rurais fortes, não poderemos conseguir o desenvolvimento sustentável em nenhum país, pois sempre existe essa brecha entre os que têm e os que não têm. Quando essa brecha chega a certo ponto, é como uma corda que arrebenta. E, quando arrebenta, se tem uma crise política. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 BRICS, una brecha en ordenamiento financiero de Occidente
 Buen futuro para los precios agrícolas pero no tanto para los pobres
 Desplazados viven una pesadilla en el norte de Pakistán
 El duro oficio de volver al campo cubano
 Conferencia sobre sida llora a los muertos y discute retrocesos
MÁS >>