África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
Apostolis Fotiadis

Atenas, Grécia, 13/8/2013, (IPS) - A Grécia continua desmantelando seu setor público em uma desesperada tentativa de convencer a Troika, formada por Banco Central europeu, Fundo Monetário Internacional (FMI) e Comissão Europeia, a lhe dar um novo resgate em outubro.


Crédito: Apostolis Fotiadis/IPS
Manifestação diante do parlamento grego em protesto contra as medidas de austeridade.
A Troika quer que o governo grego demita quatro mil funcionários públicos e suspenda outros 12.500 até o final de setembro. Mais 12.500 postos de trabalho serão eliminados até o final deste ano.

O primeiro-ministro, Antonis Samaras, ordenou aos seus ministros que desmantelem rapidamente toda estrutura pública que considerem ineficiente, e que apresentem listas com os nomes das pessoas que serão demitidas ou enviadas ao seguro-desemprego, que tem duração de oito meses, durante os quais o funcionário recebe 75% do salário. Concluído esse prazo, é demitido, se não houver um novo posto para ocupar.

O surpreendente fechamento da televisão pública, em junho, foi o primeiro passo nessa direção, e deixou dois mil trabalhadores na rua. O governo também fechou escolas técnicas que ofereciam cursos de curta duração a famílias de baixa renda, e enviou cerca de dois mil professores ao seguro-desemprego, bem como dois mil seguranças escolares e 3.500 policiais municipais.

Themistocles Kotsyfakis, que dava aula em uma escola técnica sobre fabricação de equipamento médico, também acabou no seguro-desemprego. "Isto não é uma reforma. Não há estudo sobre o fundamento destas medidas, e não foi feito nenhum tipo de avaliação para decidir quem vai e quem fica", disse à IPS. "Muitos de nós serão demitidos. Ninguém tem o futuro garantido. O seguro-desemprego é um passo para o desemprego", lamentou.

Enquanto o governo se esforça para alcançar a cota acordada, o ministro da Saúde, Spyridwn Georgiadis, decidiu fechar seis hospitais na região metropolitana de Atenas, por considerá-los ineficazes. Isto deixará cerca de 1.250 médicos sem emprego. Xaralampos Farantos, cirurgião do Hospital Geral de Patisia, no centro da capital, está na lista. O médico afirmou à IPS que a ineficácia dos hospitais é culpa do próprio governo.

"Todos esses hospitais estão sem pessoal médico adequado há muito tempo, devido a acordos anteriores com a Troika que afetaram o setor público", contou Farantos à IPS. "Os hospitais tiveram que suspender os serviços de emergência porque os pacientes se recusaram a pagar as novas taxas de admissão", impostas pelas medidas de austeridade, afirmou. "Então, o fato de ter se reduzido o número de atendimentos foi visto como uma prova de nossa ineficácia, e por isso nos incluiu na lista. Foi um método desonesto", ressaltou.

O governo também estuda o fechamento ou a privatização de três companhias militares e de uma empresa pública produtora de níquel. Isto ajudaria a acrescentar dois mil demitidos à cota. Entretanto, o sacrifício em massa de funcionários públicos ocorre em meio a advertências de que o plano de ajuste não vai funcionar. O FMI admitiu erros de cálculo sobre o custo das reformas e de sua capacidade para recuperar a economia. O FMI reconheceu, em maio, que havia violado três de quatro de suas diretrizes fundamentais ao unir-se ao pacote de resgate liderado pela União Europeia (UE), e revelou que as medidas foram desenhadas, na realidade, para salvar o euro e não para ajudar Atenas.

O atual pacote de resgate para a Grécia terminará na primavera boreal de 2014. Então, este país afundará no desassossego, com um desemprego acima dos 30%. A economia terá sofrido contração superior a 27% desde o começo da crise. Enquanto isso, o futuro grego divide o Ocidente. O FMI e os Estados Unidos são partidários de políticas de desenvolvimento e de geração de empregos, possivelmente incluindo um grande perdão da dívida, mas a União Europeia, liderada pela Alemanha, exige mais austeridade.

O ministro alemão das finanças, Wolfgang Schauble, nega que o programa de austeridade esteja fracassando e, em uma visita a Atenas no mês passado, anunciou um novo plano de medidas para 2014. Crescem os temores de que o Estado grego imploda sob a carga da austeridade, e analistas sugerem que Berlim e a UE teriam um plano B, pelo qual algumas funções básicas do Estado grego ficariam a cargo de seus credores internacionais. O analista político Giannis Kiboyropoulos disse à IPS que o primeiro óbvio sinal desse cenário surgiu no final de julho em um informe do alemão Instituo Kielo para a Economia Mundial.

"Tecnocratas alemães, após mencionarem o óbvio perigo do colapso das reformas na Grécia, propuseram a criação de um comitê independente de dívida que cuidaria da administração pública, do mercado de trabalho, das privatizações, do transporte, da energia, do mercado varejista e das políticas empresariais", pontuou Kiboyropoulos. Por sua vez, "os representantes da Troika na Grécia advertiram que estenderiam seu controle sobre as instituições responsáveis pelas privatizações e pela recapitalização dos bancos. Não se deve considerar isto uma simples coincidência", enfatizou Kiboyropoulos. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>